terça-feira, 9 de junho de 2009

Oma em Zhuhai

Podemos dizer que tivemos muita sorte com nossa visitante.
Para terem uma ideia, já na chegada fomos em um boteco pé sujo de uns Muçulmanos aqui do lado de casa; afinal, chegamos com fome e não tínhamos nada preparado. Foi uma prova de fogo.
Se ela conseguisse comer a comida chinesa dali e não tivesse dor de barriga e nem passasse mal, podia provar o resto, teríamos certeza de que os anticorpos estavam ativos.
Outra coisa, na China não tem esta de colchão fofinho como no Brasil não. As camas tem algo com uns 7cm de espessura, que mais parece uma esteira e acreditem que ela dormiu e nem teve dor nas costas.
Depois foi a vez da aula de Ioga aqui em casa com minha professora e apesar do joelho da oma não ajudar, ela foi uma excelente aluna. Fiquei muito orgulhosa e a laoshi também, afinal a nainai é muito sarada e flexível.
Claro que nem tudo é sofrimento, também tivemos muitos momentos de relax, massagem, compras e descontração.
Mas, o que gostaríamos mesmo de dizer é:
- Muito obrigada Oma Mada, tua companhia foi muito boa.
Obrigada por entender e participar de nossa rotina tão corrida.
Por aceitar as diferenças com bom humor e nos permitir te mostrar um pouquinho de nosso dia a dia. Por entender que temos que cumprir nossos horários apertados e dividir nosso tempo com as aulas extras, escola, super, etc
Esperamos de coração que tenhas gostado e volte mais vezes para nos visitar.
Beijos

Para ver fotos: http://picasaweb.google.com/mirocadrehmer/OmaEmZhuhai#

Chegada da Oma na China (15 maio)

Estavamos muito ansiosos...
Como é a primeira vez da Oma na China e os aviões chegam através de HK, Gabriel resolveu que era muito perigoso deixá-la vir sozinha de HK para cá... Ela podia se perder ou não saber falar chines :)
Desta forma, fomos até ao aeroporto, leva-se mais ou menos 2 horas entre sair de nossa casa, tomar o barco e o trem e chegar ao aeroporto. Quando se tem passagem pode-se ir direto ao aeroporto de barco e o tempo se reduz para 1h mais ou menos.
Enfim, ela chegou e os meninos adoraram, nos tambem aproveitamos muito.
Tive uma excelente companhia. Pude mostrar o bom e o ruim de nossa rotina, mas Mada se adapta muito bem e até atrás de onibus teve que correr.
Apesar de termos comprado o carro, só quem dirige é o Eduardo, então sigo minha rotina a pé, de onibus ou taxi. Tudo bem. É bom fazer exercício!

Para ver as fotos é só clicar no link abaixo:
http://picasaweb.google.com/mirocadrehmer/ChegadaOmaHK#

Out off service

Depois de quase "um mês fora do ar" por assim dizer, hoje consegui novamente entrar no blog. Que felicidade.
Resolvi fazer esta pequena postagem, rápida, caso saia do ar outra vez e dizer que infelizmente devido a motivos de força maior, nenhum blog podia ser acessado neste território.
Voces devem ter assistido que havia um aniversario de uma certa praça... Eis a razão.

Acho que agora vai

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Sobre viagens

Dia destes compreendi, ou pelo menos, sintetizei um sentimento que tinha a respeito de visitas a diferentes países.
O que quero dizer com isto, é que percebi que, quando visita-se um país, os olhos de visitante nos impedem de ver o que mais há lá para ser descoberto.
Estamos aqui há cinco meses e meio e cada vez mais percebo que as primeiras impressões vão se alterando dia a dia.
Não que estejam erradas, mas com o passar do tempo podemos aprofundar conhecimento e ver que há muito mais abaixo da superfície.
Por esta razão mochileiros de plantão qualquer avaliação a respeito de qualquer lugar pode ser precipitada, assim como dizer que se conhece um local por ter passado em viagem por lá tambem não seria correto.
Visitamos lugares o que não implica em conhece-los verdadeiramente..
Um exemplo disto; os tons vocalicos que existem aqui dificultam muito para quem é estrangeiro aprender, mas ao mesmo tempo, as estruturas tem verbos simples e perguntas curtas com respostas também curtas.
Uma das primeiras coisas que se aprende é contar, por que é um dos pilares do pensamento chinês. Se você sabe contar de zero a dez, pronto, praticamente sabe as construções de todos os números.
Confesso que tenho dificuldade para memorizar preços de pesos. Todos os preços são calculados em medidas de 500g, então se mostro bananas eles respondem san kuai (Rmb 3,00), mas quando compro, isto será multiplicado pelo peso total... parece fácil mas quando precisa se compreender o que é dito e calcular rapidamente ...hummm, acabo misturando com os kilos de toda a minha vida.
Isto é um pouco da China, difícil de entender, muita coisa para ver e memorizar, mas ao mesmo tempo de uma simplicidade indiscritível
Lembro de um conto que li certa vez.
Um mestre Zen colocou em frente de seus alunos um lindo vaso e perguntou o que cada um acreditava ser ou conter naquele vaso de acordo com a visão Zen budista.
Logo começaram os debates, as discussões, até que o mestre foi até o vaso e o quebrou. Todos ficaram olhando sem entender nada. Assim o mestre disse:
-Não importa se algo é raro, bonito, exótico, caro ou o que seja, se te causa problema, elimine-o. Ao quebrar o vaso acabou-se o problema.
É isto que tento dizer quando menciono a palavra "simples".

Em nosso ponto de vista temos muitas situações incompreendidas, mas para nossa sobrevivência e sanidade devemos trata-las como o vaso do conto acima.

domingo, 10 de maio de 2009

Mulher de sorte

Hoje acordei, desci as escadas e logo ali na minha frente, tinha um quadro grande cheio de flores e corações que meus três amores me prepararam.
Foi algo tão especial, seus desenhos, suas letras e mais que tudo seu carinho demonstrado em forma de desenho.
Me viram e já vieram cheios de beijos e abraços. Huummm isto é tão bom. Sentir este amor, merecer este amor. Desfrutei ao máximo o instante.
Depois um café da manhã gostoso, cheio de risadas, piadas e pequenas brincadeiras.
Me levaram a uma loja e ganhei uma bicicleta. Afinal estamos na China e tenho que aproveitar a oportunidade. Além de colaborar com a natureza diminuindo a poluição, colaboro com minha saúde.
Um almoço com amigos em um dia com céu azul, claro, limpo, aberto... como meu coração. Que sorte ter encontrado meu companheiro, que felicidade ter meus filhos.
Muito obrigada Deus!
Estou tão feliz!

Feliz Dia das mães!

sábado, 2 de maio de 2009

Sutil diferença

tempos tenho tentado perceber o que me fazia ter a sensação agradável quando algum chinês me explicava ou mostrava algo.
Hoje, no onibus indo ao supermercado me dei conta. É a forma com que mostram e indicam as coisas.
Ao contrário do que nós fazemos, não utilizam apenas os dedos indicadores firmemente retos e direcionados como setas, agulhas ou algo que atinge diretamente a um alvo.
Este povo mostra as coisas, caminhos, direções com toda a palma da mão; a extendem como se a desenrolassem e assim vemos para onde ir.
É algo suave, mais gentil, menos direto e seco. Tentem visualizar para sentir a diferença.
E a mesma coisa se repete quando oferecem ou devolvem algo; pode ser até mesmo o troco no caixa. Sempre seguram com as duas mãos, palmas viradas para cima como uma oferta respeitosa e não um gesto que parece dizer: Pega esta porcaria e sai logo daqui!
Apesar de não ser permitido nenhum tipo de manifestação religiosa, ou mesmo eu que nem tão católica ou praticante sou, posso dizer é possível sentir Deus nestes pequenos gestos, nestas gentilezas...

terça-feira, 28 de abril de 2009

Cooking class

Em uma postagem anterior contei sobre o book club, agora vou contar sobre o cooking class.
Mais uma vez, este grupo de mulheres que são o exemplo vivo do que significa globalização, se reúne para partilhar e compartilhar momentos únicos.

As feministas que me perdoem mas estas reuniões na cozinha, em meio a panelas, receitas, farinha, risadas e alguns copos de vinho são uma terapia.

Normalmente as francesas ensinam seus segredos de cozinha, mas nesta última "aula" tivemos, além da Tarte tatin (uma delicia com maçãs), Barracuda Caribenha e Creme de abobrinha, a colaboração das italianas com a receita de molho de tomate da mama, molho bechamél e mais uma receita para fazer ricota.
Depois deste primeiro passo, recheamos canelones de ricota e espinafre e cobrimos com o molho de tomate e Bechamél. Hummmm

Uma das maravilhas é que todas interagem e literalmente pegam na massa. Uma mexe o molho, outras recheiam os canelones, outras ajudam a cortar os ingredientes e no meio de tudo isto um monte de conversa.
Aprendemos muito mais que cozinhar. Aprendemos a respeitar, compreender e apoiar umas as outras.
Não pensem que tudo são flores e nem poderia ser com tantas diferenças. Muitas vezes é uma Babel. Independente das diversas opiniões e pontos de vista, sabemos que podemos contar com o apoio uma das outras. A mais nova agregada é uma indiana que aparece ao meu lado na foto.
Apesar de tímida, ela disse que não se sentia tão bem assim desde seu tempo no ginásio com suas amigas.
Acho que é esta a essência, por isto saímos leves e felizes.
Somos mulheres adultas, com marido, filhos, problemas, estórias; mas mais do que tudo mantemos nossa menina interior viva, viva e feliz!

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Susto

Ontem por volta das 14:00 recebi uma ligação da administração da escola do Gabriel.
A conversa começa com aquela tão temida observação:
- Olá Ms. Drehmer, aqui quem fala é fulana, não se preocupe que não é nada sério mas...
Neste momento meu inglês foi prás cucuias... a conversa segue:
- He broke....
Ai Meu Deus! Quebrou alguma coisa...daí veio um turbilhão de coisas no meu pensamento. Quebrou o pé, a perna, o braço...

- Sorry, eu não entendi. Quebrou o que?
- Quebrou o dente!
Por favor, me deixe falar com ele. Dai escuto aquela vozinha do outro lado da linha:
- Mama, quebrei o meu dente da frente.
Quase grito, Graças Deus.
Quebrar o dente é ruim, da frente pior, mas ainda assim melhor do que tantas outras possibilidades. Motivo para comemoração.

Saiu o Gariel veio o Diretor da escola.
-Miss Drehmer nós vamos levar o Gabriel para casa e se quiser podemos levá-los a um dentista Chines.

Outra vez o problema, como vamos nos comunicar? Onde fica? Como chegamos lá? E o mais importante.. Se vou estar com o Gabriel, Quem vai pegar o Thiago?????

Desliga telefone, liga para o Eduardo que esta trabalhando, para tentar definir o que fazer, falo com outros estrangeiros sobre a higiene dos dentistas aqui, que material utilizam.
Descubro que nenhum deles, jamais foi a um dentista na China.
Chamo a uma amiga para pegar o Thiago, volto com o Diretor da escola, que me garante que o serviço é bom e de confiança e que sua esposa pode ser a interprete, pois, é chinesa.
Volto a falar com Eduardo que consegue um carro da empresa, passa no banco, pega dinheiro e vai nos encontrar na clínica dentária.

Quando chegamos, o dentista olhou para o Gabriel e já vai logo dizendo:
-Very easy, easy, easy...
Vinte minutos depois de chegarmos já tínhamos um dente novo em folha e igualzinho ao original.
Como os chineses mesmo adoram dizer: Original copy!
E tudo saiu como Rmb 100,00 ou o equivalente a R$35,00

O carro da escola com o motorista nos trouxe em casa e ainda deu tempo de pegarmos o Thiago. Perfeito!

Comentando este interesse da escola em ajudar, uma amiga me disse:
-Não te impressiona, se algo acontece na escola, a professora e a escola são responsabilizadas. Eles tem que pagar todo o tratamento. Se isto acontece com um chines é processo certo que a escola toma.
Hummm agora entendi.
Mesmo assim, para nós foi muito importante a ajuda e o suporte.

sábado, 18 de abril de 2009

Domingo de Feijoada


Hoje foi dia de Feijoada Brasileira em Macau. Além da feijoada, couve mineira, doce de abóbora, doce de leite, pão de queijo, caipirinha e farofa...
Nosso famoso Jorge Amado, quando visitava outros países costumava dizer que sempre levava um pouco do Brasil com ele, mas infelizmente não levava a farofa.
Pura verdade. Encontra-la aqui foi muito bom.
Nos divertimos, falamos portugues e encontramos outros tantos. Muito bom. Quando chegamos em casa só precisávamos de um banho, chazinho e cama.
Para mais fotos deste dia visitar: http://picasaweb.google.com/mirocadrehmer/Zhuhai#

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Para pensar

Sempre menciono o grupo heterogêneo de pessoas com as quais convivemos aqui.
É interessante ver e comprovar como a língua, as origens, as crenças fazem diferença na forma com que encaramos o desenrolar da vida e o que fazemos com nossas experiências.

Com meus dois filhos aprendi que, apesar da personalidade ser algo que podemos desenvolver e aprimorar, existem traços que já vem impressos e nos fazem únicos, isto já no momento do nascimento.
Eles tem a mesma educação, mesmos pais e são completamente distintos. Com eles passei a respeitar muito mais a individualidade dos outros.
Por vezes tentamos impor nossa opinião as pessoas; mas por mais absurdo que possa nos parecer, existe entre o branco e o preto, uma infinidade de tons e matizes que devem ser ouvidos e respeitados. Vale sempre a máxima: Não existem verdades absolutas.

Este grupo heterogêneo de mulheres, com idades e experiências completamente distintas, criou um book club; onde inicialmente, cada individuo deveria sugerir um livro que permitisse as demais vislumbrar as origens e cultura da sua colega, tentando ler na língua originaria do autor. Infelizmente isto não se mostrou possível.

A primeira coisa 'boa"é que, como temos que acatar as sugestões, acabamos lendo coisas que jamais leríamos se fosse de nossa própria escolha.
A segunda coisa boa é que, após a leitura tem-se uma reunião com a discussão do tema, que geralmente descanba para as experiência e opiniões pessoais. Isto é algo incomensurável... Vocês não podem imaginar o que sai dai.

E para mim, fica cada vez mais claro, que todos nós, em algum canto recondito temos um jardim secreto. Lá, bem no nosso interior, coisas que nunca revelaríamos para ninguem, por simplesmente não admiti-las.

Pensando nisto, recebi de uma amiga uma cronica da Martha Medeiros que acredito se inserir no contexto. Parem e pensem... talvez eu tenha razão...

O GRITO

Não sei o que está acontecendo comigo, diz a paciente para o psiquiatra.
Ela sabe!
Não sei se gosto mesmo da minha namorada, diz um amigo para outro.
Ele sabe!
Não sei se quero continuar com a vida que tenho, pensamos em silêncio.
Sabemos, sim!
Sabemos tudo o que sentimos porque algo dentro de nós grita. Tentamos abafar este grito com conversas tolas, elucubrações, esoterismo, leituras dinâmicas, namoros virtuais, mas não importa o método que iremos utilizar para procurar uma verdade que se encaixe nos nossos planos: será infrutífero. A verdade já está dentro, a verdade se impõe, fala mais alto que nós, ela grita.
Sabemos se amamos ou não alguém, mesmo que esteja escrito que é um amor que não serve, que nos rejeita, um amor que não vai resultar em nada. Costumamos desviar este amor para outro amor, um amor aceitável, fácil, sereno. Podemos dar todas as provas ao mundo de que não amamos uma pessoa e amamos outra, mas sabemos, lá dentro, quem é que está no controle.
A verdade grita. Provoca febres, salta aos olhos, desenvolve úlceras. Nosso corpo é a casa da verdade, lá de dentro vêm todas as informações que passarão por uma triagem particular: algumas verdades a gente deixa sair, outras a gente aprisiona. Mas a verdade é só uma: ninguém tem dúvida sobre si mesmo.
Podemos passar anos nos dedicando a um emprego sabendo que ele não nos trará recompensa emocional. Podemos conviver com uma pessoa mesmo sabendo que ela não merece confiança. Fazemos essas escolhas por serem as mais sensatas ou práticas, mas nem sempre elas estão de acordo com os gritos de dentro, aquelas vozes que dizem: vá por este caminho, se preferir, mas você nasceu para o caminho oposto. Até mesmo a felicidade, tão propagada, pode ser uma opção contrária ao que intimamente desejamos. Você cumpre o ritual todinho, faz tudo como o esperado, e é feliz, puxa, como é feliz. E o grito lá dentro: mas você não queria ser feliz, queria viver!
Eu não sei se teria coragem de jogar tudo para o alto.
Sabe.
Eu não sei por que sou assim.
Sabe.

domingo, 12 de abril de 2009

Domingo de páscoa


Mesmo não existindo Páscoa na China, enviamos muitos e-mails para o coelhinho e não é que garantimos a visita do danado!
Ele veio durante a noite, nos deixou chocolates e tambem a lembrança de que Páscoa é ressurreição.

Bem diferente do Brasil onde os supermercados e lojas devem estar apinhados de todo o tipo de guloseima e ovos dos mais variados tipos, por aqui, no máximo se encontra algum ovinho de plástico e alguns restaurantes decorados.

Neste país, Cristo não existe, catolicismo não existe, movimentações religiosas são proibidas, logo não se podia esperar muita coisa.

Contrariando as probabilidades o coelho passou por aqui, deixando ovinhos pequenos mas muito coloridos em cestinhas de papel que os meninos pintaram e onde colamos algodão para o pelo do coelho.
Minha avó sempre diz: -"Quando temos muitas opções de alguma coisa, temos dúvida e logo a dúvida vira um problema. Se só se tivesse uma escolha a vida seria muito mais simples."
Muito certa ela está.
Com a falta de 'coelhos" os meninos ficaram vibrando com a pequena surpresa que receberam. Lição aprendida. A felicicidade está nas pequenas coisas; na lembrança, na emoção e não no tamanho do ovo.
Aproveitamos nossa família, foi bom acordarmos juntos, abraçar-nos e comemorarmos a vida que todo o dia recomeça.

Para o almoço, fomos a casa da Argentina que vive aqui e que sempre possibilita a sensação de estarmos em uma grande família. Foi ela que organizou a festa de Natal com chegada do Papai Noel e a ceia de Ano Novo
Mais uma vez adultos e crianças aproveitaram.
Os grandinhos conversando, descontraindo e dividindo a culinária mais diversa possível, pois, para facilitar cada um levou um prato.
As crianças tiveram caçada aos ovos de Páscoa (Foto), corrida do ovo, e várias outras brincadeiras, ou seja, se divertiram muito também.

Nossa vida aqui, com certeza fica mais leve, por termos a sorte de termos encontrado pessoas tão boas e especiais.

Feliz Páscoa a todos!

terça-feira, 7 de abril de 2009

Noticias e consulta médica

Hoje o Thiago está melhor de sua super febre... em torno de 39,7 por quase 4 dias.
Ontem conseguimos ir ao médico.
Um africano, bem alto, com um chapéu do tipo safari. Uma figura que poderia ser no mínimo definida como impressionante para não dizer exótico.
Apesar da aparência e do tamanho, o doutor foi tranquilo e amável. Muito atencioso.
Para ficar do meu tamanho se dobrava ao meio.
Esta consulta merecia uma foto. Ficamos constrangidos de pedir.
O consultório era algo inesperado. Imaginem uma sala com mais ou menos 4 metros quadrados com as paredes repletas de figuras africanas, guerreiros, deusas indus, elefantes, com móveis tradicionais chineses, revistas, aquário, cortinas,um pequeno altar, mais 3 sofás e uma mesa de centro ... Acho que não preciso dizer mais nada. Deu para imaginar.
O Thiago além da febre, depois do terceiro dia apresentou umas bolinhas pelo corpo. descobrimos que o "veículo" (corante ou sabor artificial)do remédio chinês pode ter ocasionado alergia.
Apesar das aparências, saímos do consultório aliviados com nosso pequeno mais suas caixas de remédios. Que estão se mostrando muito eficientes.

Enquanto isto, no núcleo irmão mais velho, ficamos muito felizes quando nosso queridão chegou em casa com mais um cartão de reconhecimento.
Ainda não tinha sido publicado devido aos dias conturbados que tivemos.
Depois de quatro meses aqui e muitos feriados na escola, o Gabriel fez seu primeiro texto em inglês sozinho e começamos a perceber os primeiros sinais de fluência na língua inglesa.

domingo, 5 de abril de 2009

Coisas boas

Recebi noticias melhores de minha avó, junto com carinho de pessoas especiais no Brasil. Mais do que isto, recebi palavras de carinho e conforto de pessoas queridas que estão longe de casa também.
Recebi ajuda com a foto publicada no blog, adorei!
Agora o tamanho esta adequado sendo possível visualizar bem melhor.

Recebo ternura, incentivo, força de todos os lados. I am a very lucky person!!!!!

Obrigada a todos vocês, que independente da distancia se fazem tão presentes na minha vida.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Impotências

Meu msn se nega a funcionar... já tentei de tudo desinstalei,reinstalei, pintei e bordei e nada... Acho que estou na malha da censura....Logo agora que preciso tanto estar conectada.

Minha avó segue doente, quanto mais os dias passam, mais recebo noticias de piora...
Hoje não tenho muito a dizer, quero ficar quieta.
Queria saber que ela está melhor, menos só, menos velha, mais longe do final...

Roubo um pensamento de Clarice Lispector:
"Minha alma tem o peso da luz. Tem o peso da música. Tem o peso da palavra nunca dita, prestes quem sabe a ser dita. Tem o peso de uma lembrança. Tem o peso de uma saudade. Tem o peso de um olhar. Pesa como pesa uma ausência. E a lágrima que não se chorou. Tem o imaterial peso da solidão no meio de outros."

quarta-feira, 1 de abril de 2009

terça-feira, 24 de março de 2009

Estórias chinesas II

Para não generalizar, os chineses da província de Cantão, em sua grande maioria são incapazes de respeitar uma fila.
Sempre que se precisa esperar por algo em lojas, bancos, ou qualquer lugar onde se formem filas temos problemas.
As filhas até existem, mais assim não mais que de repente, se passa de primeiro a último em algo que de fila se transforma em bola de pessoas.
Esta estória que eu vou contar ocorreu com uma das estrangeiras que vive aqui e estava em transito para outra cidade também na China juntamente com seu esposo.
Na "fila"do check in, uma senhora natural daqui, vamos chama-la LyLi, tentou através de cotoveladas e imposição do corpo passar a frente desta estrangeira, Maria.
Maria não permitiu bloqueando a passagem da mulher e se grudando ao balcão da companhia aérea. Afinal, tinha finalmente chegado a vez dela e não seria agora neste momento que deixaria, mais uma vez, lhe furtarem a vez.
Feito o check in, chega a hora de irem para a aeronave. Já no corredor estreito que liga o prédio do aeroporto até o avião, as duas mulheres se cruzam e mais uma vez a chinesa literalmente atropela Maria passando no espaço que existia entre ela e seu marido.
Ao reclamar da falta de educação com a mulher, esta última se vira e dá um coice, isto mesmo, um coice no meio da coxa de nossa mocinha.
Maria de boca aberta pelo susto e pela dor, fica paralisada, enquanto seu marido avança para cima da mulher.
Maria tem que interceder, pois afinal de contas, são estranhos no ninho.
Ao registrar o ocorrido com a tripulação do voo, lhes explicaram que era necessário compreender que Lyli estava sob estresse e tensão.
Depois de uma semana de bolsas de água quente/ fria, a incrível marcar roxa continuava lá em sua perna.

**Para entender a questão das filas - Buscando conhecimentos e compreensão**
A província de Cantão por razões históricas que não podem e nem devem ser mencionadas aqui, teve períodos de muita fome onde as pessoas precisavam brigar por comida.
Isto explica as coisas exóticas na culinária e o ditado que diz que chinês como de tudo.
Algumas vezes recebiam comida, mas em quantidades pequenas que não eram suficientes para todos. Valia a lei do mais forte, aquele que conseguisse chegar primeiro se mantinha vivo mais tempo.
É certo que, assim como no Brasil, podemos sentir a marca deixada pela ditadura até hoje; aqui a fome também deixou suas marcas. Cada um dentro de suas devidas proporções.

Rainy day

Hoje acordamos com chuva fina e constante.
Preparei os meninos para a escola, como normalmente fazemos.
O Gabriel tem transporte na porta de casa, logo não temos problemas com a chuva.
Para o Thiago precisamos caminhar uns 15 minutos, então; eu uma mulher prevenida, já havia comprado uma capa de chuva que o cobre inteirinho da cabeça aos pés.
A capa tem um capuz com cara de Ursinho Puft e toda a turma impressa nas costas. Vou publicar uma foto assim que meu maridão voltar de viagem com nossa máquina de fotografia.
Saímos para a rua e como se não bastasse a chuva e a roupa do Thiago chamando a atenção de todo mundo, havia um super vento e minha sombrinha se desmontou no primeiro minuto.
Não desistimos e seguimos nosso caminho.
Foi então que eu percebi as cores das sombrinhas... É um festival, tem verde, vermelho, amarelo, brilhante, cinza,..
Fiquei olhando a rua e vendo todas aquelas cores lembrei de um comercial que eu havia no Brasil, uma rua onde apareciam muitas sombrinhas pretas e apenas uma vermelha no meio da multidão. Isto daria um bom poema quem sabe samba.

Em todos os lugares, mesmo nos mais simples e comuns, se observarmos atentamente podemos ver que existem contrastes. Aqui também é assim.
Todos os estrangeiros reclamam que os chineses não respeitam filas atropelando quem quer que esteja em sua frente, mas há também momentos de extrema gentileza.

Paramos em um sinal esperando a hora de cruzar a avenida, para minha surpresa uma mocinha veio se colocou ao meu lado e me ofereceu lugar na proteção de sua sombrinha. Pensei que era por causa do Thiago, mas não.
A medida em que outras pessoas chegavam desabrigadas iam sendo acolhidas por aquelas que tinham alguma proteção.
Atravessamos a rua, agradeci e seguimos o nosso caminho. assim como os outros que compartilharam deste momento.
Esta é uma boa maneira de começar o dia.

sexta-feira, 20 de março de 2009

Crenças populares Chinesas

Aos poucos descubro que muito mais do que estarmos do outro lado do mundo geograficamente; nossas crenças também são avessas as chinesas.

Longe de afirmar que as praticas são eficazes ou corretas, as menciono para ilustrar a crendice popular. Se alguém quiser testá-las, alerto que é por sua conta e risco.

Para o chineses a comida possui muito mais que vitaminas. Eles carregam em si características curativas e o poder de esquentar ou esfriar o organismo.

O indivíduo deve observar o seu estado físico e mental antes da ingestão de qualquer alimento, bem como, as características frias ou quentes do que esta comendo.
Por exemplo, Abacaxi que consumimos amplamente no verão, aqui é considerado um alimento quente; deve ser comido apenas na primavera, de preferência após passar por uma mistura de água e sal para tirar a acidez. Comê-lo no verão pode causar problemas de saúde.

Chá de flor de Maçanilha ou camomila, também é quente. Indicado para inflamações da garganta, ouvidos ou sinusite.

Em estado febril, o indicado é cobrir-se com muitos cobertores para que o corpo transpire o máximo possível, depois desta sauna, ir diretamente para o chuveiro e tomar um banho bem quente e com muito vapor.

Em caso de gripe ou resfriado, serve a mesma orientação acima, acrescentando-se a ingestão de muita água quente. Adicionalmente, dormir o máximo possível.

Para problemas de indigestão alimentar, o aconselhado e sentar-se no chão, pernas juntas e estendidas a frente do corpo e com ambas as mãos fechadas, ir dando batidas ao longo das pernas por alguns minutos.

Em caso de vomito nunca deve-se lavar a cabeça, prejudica a recuperação, pois, atrapalha o fluxo sanguíneo.

Para afinar a cintura praticar bambolê diariamente.

Para reduzir o volume do estômago (barriga) fazer exercícios de alongamento em pé, esticando os braços e forçando o tronco para trás.

Até a próxima.

terça-feira, 17 de março de 2009

Sentar-se a Janela

Meu blog chegou a marcar das 3.000 visitas.

Não imaginei que eu teria constância.
Graças aos leitores-amigos (recebo e-mails e recados maravilhosos), me mantive motivada.

Estou feliz e agradecida a todos vocês que nos acompanham e com quem posso ter "conversas virtuais"tão significativas.

Para agradecer esta marca, vou publicar algo que recebi de uma amiga, de autoria de um Jornalista conhecido. Achei oportuno, lindo e verdadeiro.

Chegar na China, desacelerar minha vida e começar a aprender, me possibilitou sentar na janela.
Gostaria que todos pudessem fazê-lo por um instante que fosse.


SENTAR-SE À JANELA

Alexandre Garcia


Era criança quando, pela primeira vez, entrei em um avião.
A ansiedade de voar era enorme.

Eu queria me sentar ao lado da janela de qualquer jeito, acompanhar o
vôo desde o primeiro momento e sentir o avião correndo na pista cada
vez mais rápido até a decolagem.

Ao olhar pela janela via, sem palavras, o avião rompendo as nuvens,
chegando ao céu azul.
Tudo era novidade e fantasia..

Cresci, me formei, e comecei a trabalhar. No meu trabalho, desde o
início, voar era uma necessidade constante.

As reuniões em outras cidades e a correria me obrigavam, às vezes, a
estar em dois lugares num mesmo dia.

No início pedia sempre poltronas ao lado da janela, e, ainda com olhos
de menino, fitava as nuvens, curtia a viagem, e nem me incomodava de
esperar um pouco mais para sair do avião, pegar a bagagem, coisa e
tal.

O tempo foi passando, a correria aumentando, e já não fazia questão de
me sentar à janela, nem mesmo de ver as nuvens, o sol, as cidades
abaixo, o mar ou qualquer paisagem que fosse.

Perdi o encanto. Pensava somente em chegar e sair, me acomodar rápido
e sair rápido.

As poltronas do corredor agora eram exigência . Mais fáceis para sair
sem ter que esperar ninguém, sempre e sempre preocupado com a hora,
com o compromisso, com tudo, menos com a viagem, com a paisagem,
comigo mesmo.

Por um desses maravilhosos 'acasos' do destino, estava eu louco para
voltar de São Paulo numa tarde chuvosa, precisando chegar em Curitiba
o mais rápido possível.

O voo estava lotado e o único lugar disponível era uma janela, na
última poltrona.
Sem pensar concordei de imediato, peguei meu bilhete e fui para o embarque.

Embarquei no avião, me acomodei na poltrona indicada: a janela.
Janela que há muito eu não via, ou melhor, pela qual já não me
preocupava em olhar.

E, num rompante, assim que o avião decolou, lembrei-me da primeira vez
que voara.
Senti novamente e estranhamente aquela ansiedade, aquele frio na barriga.
Olhava o avião rompendo as nuvens escuras até que, tendo passado pela
chuva, apareceu o céu.

Era de um azul tão lindo como jamais tinha visto. E também o sol, que
brilhava como se tivesse acabado de nascer.

Naquele instante, em que voltei a ser criança, percebi que estava
deixando de viver um pouco a cada viagem em que desprezava aquela
vista.

Pensei comigo mesmo: será que em relação às outras coisas da minha
vida eu também não havia deixado de me sentar à janela, como, por
exemplo, olhar pela janela das minhas amizades, do meu casamento, do
meu trabalho e convívio pessoal?

Creio que aos poucos, e mesmo sem perceber, deixamos de olhar pela
janela da nossa vida.

A vida também é uma viagem e se não nos sentarmos à janela, perdemos o
que há de melhor: as paisagens, que são nossos amores, alegrias,
tristezas, enfim, tudo o que nos mantém vivos.

Se viajarmos somente na poltrona do corredor, com pressa de chegar,
sabe-se lá aonde, perderemos a oportunidade de apreciar as belezas que
a viagem nos oferece.

Se você também está num ritmo acelerado, pedindo sempre poltronas do
corredor, para embarcar e desembarcar rápido e 'ganhar tempo', pare um
pouco e reflita sobre aonde você quer chegar.
A aeronave da nossa existência voa célere e a duração da viagem não é
anunciada pelo comandante.
Não sabemos quanto tempo ainda nos resta.
Por essa razão, vale a pena sentar próximo da janela para não perder
nenhum detalhe.
Afinal, 'a vida, a felicidade e a paz são caminhos e não destinos'. já!

domingo, 15 de março de 2009

Final de semana com visitas

Este final de semana foi cheio. Tinhamos visitas, o Lázaro e o Marsiglia.

Foi bom tê-los aqui.
Passamos o sábado com o Lázaro lhe mostrando as coisas de Zhuhai e descobrindo um pouco sobre a cidade onde ele está aqui na China.

Para fechar o sábado com chave de ouro e para nossos colegas se sentirem em casa, o Frederico e a Lele organizaram um churrasco. Eu levei a maionese.
Vieram tambem o Jorge, Ivanio e a Dania. Acho que esta foi a vez em que tivemos o maior grupo de brasileiros reunidos.

No domingo, já de volta ao nosso número normal, fizemos uma janta aqui em casa e a Lele trouxe uma quiche que aprendeu a fazer com as Francesas. Deliciosa!

Amanhã vamos a HK. Thiago tem consulta com pediatra, está mal da sinusite e tambem precisa tomar vacina.
Vamos aproveitar e ir a um supermercado encontrar algumas coisas ocidentais e talvez roupas que nos caibam, aqui somos totalmente fora do padrão de medidas.

terça-feira, 10 de março de 2009

Thiago's expertise

Ontem Thiago me contava que na escola os meninos só fazem pipi e as meninas só fazem cocô (sorry!).
Perguntei porque ele dizia isto e veio a seguinte explicação:
- Os meninos sempre vão ao banheiro e ficam em pé fazendo pipi, se as meninas sentam é porque fazem caca ora!

É claro!, Não sei porque não pensei nisto antes.

domingo, 8 de março de 2009

Diferenças

Existem coisas que não estão ai para serem aceitas, mas sim, compreendidas.
Podemos compreender muitas coisas, mas nem por isto aceitamos ou concordamos com elas.

Falando com a moça que trabalha aqui em casa, descobri um pouco de sua estória. Casou, era feliz e teve uma filha. A partir dai as coisas se complicaram e seu marido foi embora com uma nova namorada.
Até ai tudo normal, ou até mesmo meio comum.
O que muda é que na China, o marido que teve como primeiro filho uma mulher pode encontrar outra namorada e tentar o filho homem, mas a mulher (mãe) segue com a filha e não pode mais casar por duas razões.

Primeira: Já teve um filho(a) e este "número"de filho fica atrelado a ela. Politica de filho único.

Segunda: Pelo mesmo motivo que o primeiro marido a deixou, um segundo não a aceitaria. Quem iria querer uma mulher com filho de outro homem ainda mais sendo uma filhA?
Ela me dizia: Marido laowai é que é bom! Marido chinês não bom.

Tentei explicar que não era bem assim. Que mocinhos e heróis são coisas de filme e que em todas as culturas tem o bom e o mal. Mas é claro... a distancia do resto do mundo e a cultura fechada não deixam margem para que ela possa imaginar estas diferenças e veja que existem sempre mais versões da mesma estória.

Tentei mostrar que não há regras sem excessão ou verdades absolutas, não estou certa de ter conseguido.

De qualquer maneira, os maiores beneficiados neste paradigma são os homens estrangeiros que vivem aqui. Os meninos e o Husband, como ela se refere ao Eduardo, tem sempre a roupa mais perfeita, mais cuidadosamente limpa, a melhor comida, etc..
Se não fico de olho ela faz tudo para os meninos, eles deixam algo fora do lugar, lá vai ela arrumar. Se derramam chocolate, lá está ela limpando, até colocar as meias e sapatos. Ela tenta antecipar as necessidades e se adianta para atendê-las.
Olhem que isto não é só aqui em casa. Conversei com as outras estrangeiras e em suas casas o mesmo acontece.

Não estou me queixando de forma alguma. Ela é ótima para mim também, o que tento retratar é a forma com que as mulheres aqui foram educadas e como agem. É claro que um texto é muito pouco.
Um livro bom para ilustrar o que eu digo é: "As boas mulheres da China", quem tiver oportunidade deve lê-lo.

Enquanto isto vamos seguindo, descobrindo e aprendendo. Deixo uma frase de Saint-Exupéry.

"Uma pessoa para compreender tem de se transformar."

quarta-feira, 4 de março de 2009

Sistema anti-depressão

Hoje acordei com um mal humor do cão.
Levei os meninos aos seus transportes. o Thiago para sua escola e voltei para casa pronta para entrar na cama e me esconder em baixo das cobertas mandando o mundo para aquele lugar.
Sentia saudades da minha casa, dos meus amigos, da minha família, da minha rotina e de tudo o mais que os pronomes possessivos permitissem.

No caminho decidi que auto-piedade é muito chato e antes que tivesse chance de mudar de opinião, cheguei em casa, troquei de roupa, calçei tênis, passei a mão no MP4 recheado de músicas dos Beatles, presente da Tante.
A principio pensei que esta não era a trilha sonora adequada, mas não podia perder tempo. Sai para a rua novamente e no caminho descobri que era perfeita.

Todos conhecem a máxima que diz: "Quem canta seus males espanta"; assim como "exercitar-se libera endorfinas e traz felicidade".

Resolvi testar as teorias e me soltei na rua correndo em direção ao parque que temos aqui perto.
Não pensem que foi aquela coisa atlética, nada disto. Mas, 45 minutos de exercício, 3 minutos correndo e 3 em marcha rápida se mostrou um ótimo remédio.

No parque tinha muitas senhoras e senhores octogenários. Alguns andando para trás - Isto melhora o equilíbrio; outros caminhando e balançando os braços de um lado para outro - melhora a circulação, outros praticando Tai Chi Chuan.

Os Beatles se mostraram ótimos companheiros de caminhada/ corrida.
Embalada ao som de Help, In my life, A day in the life, Revolution, pensei que podia cantar, afinal, ninguém me conhece ou entende, sou um ser estranho para os chineses e então cantei feliz da vida.
Se me permitem vou até usar um trecho de uma música muito conhecida: "-Caminhando e cantando e seguindo a canção!

Olhar aquele lugar tão bonito, cheio de flores, árvores, lago, paz. Me sentir segura, sem medo de ser assaltada ou qualquer coisa assim. Cantando e sorrindo para as pessoas que estavam ali e tendo retribuição, me fez sentir bem.
E assim, de repente sem mais nem menos, me senti feliz!

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Tristeza....

Depois de 2728 visitas registradas no meu blog, agora, sem mais nem menos meu contador resolve desaparecer.
Se alguem por ai ver um contador perdido é meu!

Se alguem souber recuperar o contador tambem seria bastante útil.

Nos vemos.

Gabriel Newsletter

Hoje publico o newsletter da escola do Gabriel.
Vejam que bonitinho ele aparece na segunda foto de cima para baixo com calças escuras. Para que a imagem fique maior é só dar duplo click sobre a mesma.









Como o Thiago quer copiar tudo o que o mano faz, adiciono algumas de suas fotos indo para a escola.
http://picasaweb.google.com.br/mirocadrehmer/Zhuhai#
Se o acesso não for direto é só copiar e colar o link na barra de acessos da internet.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Rotina

Parece que finalmente criamos uma rotina por aqui. Após 2 meses e meio de chegada; parece que faz mais tempo; temos uma rotina mais ou menos estabelecida.

Eduardo com seu trabalho, que entre o tempo de ir e vir, ocupa em torno de 12 horas por dia, mais os temas dos meninos (nos ajudamos, até porque só um não dá conta) e aulas de chinês.

Gabriel com a escola das 8:00 as 4:00; mais 3 vezes por semana aulas particulares de chinês para poder acompanhar os colegas; mais temas normais e temas adicionais,caligrafia, aulas de matématica, tudo para poder atingir o nível dos colegas já que o ano letivo aqui inicou em Agosto e chegamos em Dezembro e tanto em inglês quanto matemática ele precisa reforço.
o primeiro porque não tem fluência e no segundo porque os conteúdos estão a frente do que era ensinado no Brasil.

Thiago com sua escolinha, que tambem manda tema. Ele pratica colagem, recorte, inglês e chines em casa, em menor escala devido a sua idade, mas não menos importante.

Eu sigo com a peregrinação de lugar em lugar para encontrar comida o mais parecida com o que estamos acostumados.
Aqui se vai ao super com sua própria sacolinha, a pé (não temos carro) e precisamos de comida e bebida para quatro pessoas. Tento evitar deixar isto para o final de semana para aproveitarmos juntos, mais os temas dos meninos, aulas de chinês duas noites por semana, aeróbica 1 vez e ioga 2 vezes por semana para aguentar o ritmo.
Não tem sobrado muito tempo.

Então, desculpem-me se as vezes não atendo ao telefone, msn ou não respondo a todos os e-mails.
Saibam que adoro receber noticias. Me sinto ai com voces, mais próxima.
Enviem-me novidades de livros, revistas, fofocas. Eu vou adorar.

beijos e saudades

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Carnaval na China

Para ter festa basta que alguns poucos brasileiros se juntem, coloquem boa música, muita cerveja e alegria. Os gringos deste lado de cá do mundo que o digam.

Fred e Ana já tinham a vontade e o espaço; Eduardo e eu a disposição, juntamos tudo e saiu o primeiro Baile de Carnaval brasileiro em Zhuhai.












Eu que não gostava muito de carvanal, me vi aqui, com lágrimas nos olhos de poder ouvir e mostrar algo tão tipicamente brasileiro. A distancia de nosso país nos faz sentir saudades das coisas mais singulares.

Mostrar para toda esta gente sambas como "coisinha tão bonitinha do pai", ö abre alas que eu quero passar"nos deixa arrepiados e cheios de nostalgia.

Foi importante desfrutarmos deste momento de brasileiridade (agora dei uma de Magri).


O grupo de estrangeiros com que convivemos por sua vez foi maravilhoso e entrou de cabeça na ideia.
Vejam as fantasias no link:
http://picasaweb.google.com.br/mirocadrehmer/Zhuhai

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Fim da primeira semana

A primeira semana da adaptação acabou e entre mortos e feridos tudo transcorreu relativamente bem.
As professoras são atenciosas, mas o problema é que mesmo tentando consolar o Thiago ele não fazia ideia do que elas falavam e isto com certeza foi algo que dificultou.
A cada fechamento da semana, os pais recebem um report sobre o que foi ensinado como o que segue.


Esta semana começamos bem. Chegamos na escola, ele deu uma resmungada, fez que chorou e foi no colo da laoshi já olhando para os brinquedos.
Cantam, dançam, fazem cerâmica, lêem poemas. Aqui crianças com dois anos são capazes de contar pelo menos até 100.
A estrutura de "falar"os números é diferente da nossa.

Fico me perguntando Como todas as crianças tem escola?

Aqui todos respeitam as professoras e gostam de estudar, mesmo nas férias tem tema de matematica, de chinês e inglês, este último para o equivalente ao segundo grau é uma redação em inglês de 20 linhas por dia. Os temas são livres.
O índice de analfabetismo é menor que 1%.

Com a quantidade de crianças que existe na China e com os horários estendidos, as aulas iniciam as 8:00 e vão até as 16:00, podendo aumentar em 1 ou 2 horas, caso os pais optem por disciplinas adicionais como línguas estrangeiras, música, leitura, poesia, etc.. como tem escola para todo mundo?
É uma questão de organização e importância. Estudo por aqui é o maior bem que se pode dar a um filho.
As universidades são pagas, são caras não estão abertas para estrangeiros. Possuem ótimos laboratórios e estão muito bem equipadas.
Segundo uma amiga que é professora em uma delas, os chineses estão de olho no mundo. Perceberam que para fazerem negócios com a América latina precisam de espanhol. Em um semestre esta cadeira aumentou em 5 vezes o número de inscritos.

Fico pensando o que será de nossos filhos. Tristemente em nosso pais vejo crianças empoderadas contra professoras desesperadas, mal remuneradas e em alguns casos subjugadas. Para onde está indo nossa nação do país maravilhoso?
Hoje reclamamos que os indianos estão por todo mundo, na medicina, na informática, mas menos numerosos que os chineses...

Acho que devemos fazer a lição de casa. Parar de achar que estudar é sacrifício ou castigo, que coitadinhas das crianças isto ou aquilo.

No mundo globalizado nossos concorrentes estão a nossa frente.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

kindergarden

Esta é a primeira semana de Thiago no jardim de infância.
Escolhemos um bem pertinho de casa para onde vamos caminhando.

Titi adorou os brinquedos, a sala de aula, a comida, a mochila e o uniforme novo, mas não quer ficar na sala de aula.
Eles fazem cerâmica e outras manualidades, pintam, desenham, fazem ginástica, tem aulas de inglês, falam chinês o dia todo,almoçam, dormem um pouquinho...

As professoras são calmas e tem bastante paciência, o que não muda meu sentimento de estar sendo a pior mãe do mundo.
Sei que será bom e é necessário. Ele precisa se comunicar melhor e tambem aprender o inglês e o chinês, assim quando for a escola não terá que passar pelas dificuldades que o Gabriel tem passado.
Compreendo a situação mas nada tira esta sensação de culpa. Tenho que trabalhar isto.

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Churrasco Chinês

Antes de vir para a China lemos muito sobre os hábitos e costumes e sabíamos o quanto é dificil para este povo, por inúmeros fatores, se abrir e convidar pessoas que não são de sua família, principalmente estrangeiros as suas casas e suas vidas.

O toque, o beijo, o abraço são coisas raras por aqui. Apesar da "abertura" são séculos de tradiçÕes, medos e tabus que precisam ir se flexibilizando para que as barreiras caiam.
A menos de 10 anos atrás não era possível encontrar casais de mãos dadas ou abraçados. Ainda hoje, são bastante discretos. Beijo na boca não vi nenhum e acho que não vou ver.

Acredito que nós temos muita sorte ou eu seja uma desmiolada e impulsiva total.

Adoro abraços e beijos.
Sou afetuosa por natureza e na primeira aula de Ioga que tive, ao me despedir em um impulso impensado, abracei e beijei a professora.

Imaginem, quem pratica Ioga sabe que o abraço é algo importantíssimo. No abraço, oferecemos nossa energia ao outro e recebemos dele a sua própria; normalmente só se abraça com alguma razão especial.
Eu além de abraçar dei três beijinhos. Ela ali, braços estendidos ao longo do corpo, cara de incrédula e eu na metade do segundo beijo é que fui me dar conta!
Depois de algumas aulas contidas, em minha última, beijei uma amiga brasileira e a laoshi (professora em chinês) já veio para o meu lado oferecendo o rosto.
Nós, no pouco mais de dois meses aqui alem de beijar a professora de Ioga, já abraçamos a nossa ajudante. Ela adora o Gabriel que é um "abraçador" nato assim como eu e que por sua vez já deu abraços em dois ou três guardinhas que brincam com ele quando entramos no prédio; já fomos convidados para almoçar na casa de uma colega de trabalho do Ed, e agora recebemos o convite para este churrasco.

Para terem uma idéia, percebam o texto do convite:
"Dear Both,
We, sourcing dept, would like to invite you and your family to our barbecue on this Saturday (Feb.7th.)^_^ . Would you like to join us?

Please kindly inform me when you are available as I will prepare the food for the barbecue.

Address: Ji Da Jingshan Park( 吉大景山公园) ( Very close from your home)

Time: AM 10:30~13:30."
Attendee: XXXXXX & family, XXX & family, XXX & family, XXXX.

Thanks and Best regards,



É uma coisa de se comemorar ou não é fazer parte do dia a dia deste povo e ser aceito por eles?

As fotos do evento estão em outra postagem.

Fotos de nosso primeiro Churrasco Chinês

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Dança do leão e uma lenda chinesa

videoOutra tradição de ano no chines. Na véspera, durante o dia, homens vestidos de leão (na verdade este leão é formado por uns 7 bichos diferentes) desfilam nas ruas visitando as lojas que penduram em suas portas o ronbau, cigarros, e uma alface. A loja visitada atrai boa sorte e ótimos negócios.

MAIS CULTURA:

O ano novo chinês proviu de cerimônias de sacrifícios da época das dinastias Yin e Shang (século 16 - século 11 a.C.). Mas existem muitas lendas sobre sua origem. A lenda mais conhecida é sobre o monstro Nian.
Fala-se que na época antiga existia um monstro Nian. Ele tinha um chifre na cabeça, e era muito cruel. Nian vivia normalmente no fundo do mar, subia a beira somente na véspera do ano novo para comer bichos e pessoas. Assim, sempre na véspera do ano novo, as pessoas fugiam da aldeia para as montanhas para não serem mortas por Nian.
Na véspera de um certo ano, quando as pessoas estavam correndo para fora da aldeia, chegou um mendigo velho, andando de bengala, tendo barbas brancas e olhos brilhantes.
Pessoas da aldeia estavam fechando as portas e janelas, fazendo malas ou pegando bichos dos estábulos. As pessoas estavam chamando uma as outras, cavalos estavam relinchando. A aldeia tinha uma grande confusão, ninguém prestava atenção neste velho.
Uma avó que morava no fim da aldeia viu o velho, ela lhe deu comida e o avisou para se esconder nas montanhas por causa do monstro. O velho sorriu e respondeu: "Se avó me deixar ficar na casa esta noite, vou expulsar o monstro."
Foi uma surpresa para a avó, ela ficou olhando para o velho. Mesmo que ela sentisse que o velho tinha um espírito bem diferente, não acreditou, e continuou avisando o velho. O velho somente sorriu e não falou nada. A avó não tinha outro jeito, deixou o velho ficar em casa e foi às montanhas sozinha.
À meia noite, o monstro Nian veio. Ao chegar na aldeia, ele já percebeu alguma coisa anormal: a casa da avó no fim da aldeia estava bem iluminada com velas, e as portas estavam cobertas com papeis vermelhos. Nian gritou, e tremeu. Ele olhou para a casa da avó por um momento curto, depois, correu até a casa gritando. Quando ele chegou perto da porta, vieram de repente barulhos explosivos. Nian ficou surpreso, e tremeu e parou de se aproximar.
Ninguém sabia que Nian tinha medo de fogo, de barulho explosivo e da cor vermelha.
As portas da casa da avó se abriram, o velho, de veste comprida vermelha, estava rindo no centro do pátio. Nian ficou tão assustado que até perdeu a cor na cara. Ele se virou e saiu correndo.
O dia seguinte era o primeiro dia do ano novo. As pessoas voltaram à aldeia e descobriram que a aldeia estava bem calma. Tudo mundo ficou surpreso. Lembrando do velho, a avó entendeu tudo. Ela contou isto para as pessoas e voltou para casa junta com elas: as suas portas estavam cobertas com papeis vermelhos, uma pilha de bambu ainda estava queimando no pátio, algumas velas vermelhas ainda estavam iluminando a casa.
As pessoas ficaram muito alegres. Para celebrar a paz, elas puseram roupas novas, chegaram nas casas dos parentes e amigos para dar os parabéns. A notícia se espalhou rapidamente na aldeia, tudo mundo se informou sobre a maneira de expulsar o monstro Nian.
Daí, na véspera do ano novo, todas as famílias decoravam as portas com papeis vermelhos, soltavam fogos de artifícios, deixavam a casa iluminada, e aguardavam até o novo dia começar. Na manhã do primeiro dia do ano novo, pessoas se visitavam para dar os parabéns. O costume se espalhou, e virou finalmente o festival tradicional mais importante da China.
E celebrar o ano novo é chamado de Guo Nian, Guo significa "passar", Nian significa "ano", mas na lenda, é o nome do monstro.

Extraído do site do Centro de Cultura Chinesa - SP - Brasil.

Sobre Ano novo Chines - Ano do Boi

Não importa a cultura, sempre existem tradições a respeito do Ano novo. Aqui na China não é diferente.

Limpar a casa, jogar fora tudo o que não é bom, trocar roupas, vestir-se com roupas novas na véspera, cortar cabelos, pagar as contas são alguns dos "cuidados"que devem ser tomados antes da virada do ano, para que boas coisas aconteçam no próximo.
O Fu fixado na porta de entrada e lanternas vermelhas e douradas penduradas nas casas trazem boa sorte, assim como, o envelope geralmente vermelho (ronbau) dado pelos mais velhos para as crianças contendo dinheiro e balas.
Pedidos, metas, objetivos, sonhos para o ano que se inicia são escritos em papel vermelho e colocados pendurados em uma árvore de bergamota, sempre cheia de frutas (fartura).

Toda esta comemoração se inicia no 23 dia do último mês lunar e termina no 15 dia do mês que se inicia. Nesta data acontece a Festa das lanternas. Todo este período é conhecido como Festival da Primavera, pois a data de Ano Novo coincide com a chegada desta estação.

ANO NOVO DO BOI - espera-se um ano de trabalho árduo e muita persistência. Assim como o animal que trabalha pesado e quase não dorme, a ideia é de que todos se mirem neste exemplo, ou seja, o negócio é trabalharmos duro e não desistir.
Achei uma grande dica mediante esta crise mundial que atingiu todas as economias. "Baixa cabeça, trabalha e cala boca palhaço" - Disse uma velha amiga minha pelos idos anos 90. Acho que continua válido!

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Noticias

Outro dia falamos com a babá ai do Brasil pelo Skype e depois que desligamos o Gabriel teve uma crise de choro.
Chorou porque tinha saudades, porque queria dar um beijinho na baba, porque sentia falta da massa com molho de galinha e por tantas outras coisinhas que nem ele sabe muito ao certo quantas são.

Hoje o Thiago no almoço queria o Gato dele,..o que ficou no Brasil, queria o cachorro, ai que difícil!

Tem horas em que por mais que tentemos dá aquele aperto. Nestas horas descobri que o melhor remédio e nos aconchegarmos um no outro, ficar abraçadinho juntinho, sem dizer muita coisa, ouvindo o choro ou chorando junto.
Não importa. O que importa é estar ali, juntinho e dar aquele apoio incondicional. Algumas vezes até dormimos assim, mas saímos revigorados e fortalecidos

O Gabriel tem se esforçado, mas não está sendo fácil aprender tanta coisa nova em línguas que ele desconhece.

Eu estou ansiosa e temo pelo desempenho dele, mas ele é feliz.
Tem amigos, sorri bastante e brinca bastante na escola; o ensino é bem mais forte que no Brasil.

Ele está aprendendo sobre o sistema solar em geografia e em matemática multiplicação, divisão e alguma coisa de frações.
No inglês tem muito trabalho de interpretação de textos (o que é bem difícil já que ele não fala inglês) e no chinês aprende a escrever e ler os ideogramas, ele adora, diz que é mais fácil que o inglês - Cada louco com sua mania.

O ensino é globalizado... Eles pegam um tema, por exemplo, o sistema solar e desenvolvem todas as outras disciplinas dentro deste parâmetro.
Fazem cálculos de distâncias, comparam tamanhos, dividem e multiplicam planetas, seres, órbitas..

Imaginem que outro dia ele teve que escrever seu próprio conceito de órbita, planetas, astronauta, espaço.
Isto é outra coisa que me chama atenção, ele tem aula sobre um tema e depois desenvolve e responde o que entendeu, sua interpretação. Individualmente a professora avalia as respostas e coloca as devidas observações, as turmas são pequenas e isto ajuda muito no ensino.

Acho legal por que ao contrário do ensino que eu tive onde aprendíamos as coisas e nem imaginávamos onde usar, ele aprende sabendo o quanto aquilo é importante e onde utilizar o que aprendeu. Isto facilita. Desperta o interesse, a curiosidade e eles desenvolvem rapidamente as habilidades

Na segunda eles recebem o tema para ser feito durante a semana e na sexta este deve ser entregue. Fazem desenhos em 3D e 2D (perspectivas), lêem pelo menos 03 livros na semana.
Gastamos bastante tempo com isto, primeiro lemos, depois mímicas para o vocabulário, depois ele lê e revisamos o vocabulário discutido.. assim lá se foram duas ou três horas.

O Thiago é muito amoroso, mas não é muito simpático com o assédio constante dos chineses.
Na próxima semana ele começa na escolinha. Já fomos visitá-la e ele adorou os brinquedos. A sala de aula no entanto não foi tão atrativa.
Posso fazer a adaptação como eu achar melhor. Já decidi iniciar com duas horas e ir aumentando gradativamente até que ele se sinta bem.

Uma amiga se ofereceu para ficar comigo na escola durante este período de adaptação, me ajudará como interprete e companhia para que eu não desista.
Então, na próxima segunda, com crianças em uma mão, chimarrão na outra, bergamotas na sacola e com o coração apertado, levo meu gordinho para seu primeiro dia de aula.

É preciso dizer que chineses não podem ver crianças chorando que se desesperam.
O método mais usado é um oferecer uma balinha, um doce, daí entendo porque quase todos os bebes entre um e três são rechonchudos.
Na verdade, a educação dos milhares de filhos únicos homens aqui se mostra complicada e estas crianças cheias de marra chegam a escola, onde vão aprender a ter comportamento. Imaginem o caos no inicio.
No entanto, aqui as professoras (laoshi) tem aquela aura de respeito que já perderam no Brasil.
Os pais as respeitam, a escola dá o poder e portanto as crianças sabem exatamente que não podem passar dos limites.
Acho isto excelente. São respeitadas e o ensino é rígido, principalmente nas escolas chinesas. Trabalho duro, muito duro.
Mas como o Thiaguinho é um laowai (estrangeiro) tem suas mordomias. Eu com certeza terei que usar minha amiga interprete para negociar que no lugar das balas para obter bom comportamento lhe dêem adesivos.

Histórias Chinesas

Esta é uma estória baseada em fatos reais.
Os nomes e lugares foram alterados para manter a identidade de nossos personagens desconhecida.

Em uma certa empresa na China, uma jovem senhora chamada Li Wuan - uns 30 anos chegou alegre e sorridente em seu trabalho exibindo sua tão gloriosa nova carteira de motorista.

É importante mencionar que aqui na China para se conseguir a carteira tem que se estudar um manual com 1.500 questões das quais 100 caem na prova e é preciso acertar um mínimo de 90 questões.

Um colega por volta de seus 30 e poucos anos, já não muito bem quisto e com histórico de ser um chato de galocha, assim que viu o documento começou a desmerecer o objeto de desejo da pobre Li. Bradava na sala que agora as ruas não eram mais seguras, o que seria dos pedrestes e dos outros motoristas, que ela avisasse quando fosse sair pra ele não estar por perto, etc..

O que era para ser uma brincadeira de mal gosto, começou a tomar caratér de ofensa e o Sr. Chang descambou para a baixaria ofendendo a honorável família da moça, esta por sua vez já estava aos prantos e todos na sala onde os dois trabalhavam admiravam a cena.

Entre as palavras de Li dizendo que os filhos de Chang nunca iriam se casar, e os brados de Chang: -Tu não é de nada, sua mãe é uma mula e se teu marido frouxo quiser vir aqui que venha. Ele não é homem para me enfrentar e muito menos para defender a honra da esposa!

Isto no Brasil ofenderia, mas aqui é uma coisa seríssima.
Na mesma noite, após todos terem ido para suas casas, o senhor Chan escuta sua campainha tocando. Ao abrir a porta não foi possível dizer nem ao menos boa noite ao sujeito que lá se encontrava, visto que o Sr. Wuan, ao saber da estória ocorrida, sentiu-se ofendido e precisava mostrar que era um homem honrado; para tanto, dirigiu-se à casa do desaforado colega de sua esposa e o espancou ali bem na porta de entrada com toda a familia do famigerado assistindo.

No outro dia ao chegar ao trabalho o Sr. Chang tinha um curativo na cabeça perto da testa, outro no meio da bochecha e mais alguns arranhões. A principio disse que tinha sofrido um acidente, depois, a fim de obter testemunhas contou da surra que havia levado e abriu um processo na policia.
Decidiu fazer um tribunal no trabalho; chamou uma colega de testemunha, um outro para ser o juiz da questão a pobre e humilhada Sra. Li Wuan e começou outra discussão. O Sr. Chang apresentou uma lista para a qual exigia indenização. A lista continha:
- taxi até o hospital XX yuans
- Chá para feridas XX yuans
- Consulta médica XX yuans
- gás gasto para fazer o chá XX yuans
- horas de minha mãe fazendo o chá e me tratando XX yuans
- ida de moto para comprar o chá XX yuans
- volta de moto com o chá XX yuans

E por aí ia a coisa. Após horas de argumentação, o colega que havia sido determinado como juiz perguntou ao Sr. Chang:
- Se eu tomar qualquer decisão que não seja a seu favor, voce aceitará?
Imediatamente Chang respondeu: - Impossível, eu só aceito a meu favor.
O Juiz argumenta: - Mas isto não é justo! Você começou a confusão
Chang afirmou: - Se hoje eu chegar em casa sem este dinheiro de indenização minha mãe vai me xingar! Ela não vai aceitar que eu tenha saído no prejuízo!

Pasmem! O Sr. Machão Chang chefe de família, metido a valentão tinha medo da mãe!

Até entendo isto agora que já convivemos um pouco mais com este povo tão diferente...

Para acabar a estória, após veridito, que é definido pela própria polícia em curto espaço de tempo, nossa mocinha Li Wuen e seu marido tiveram que pagar 400 yuens de indenização ao tal sujeito.

É mole ou quer mais?!

Xín nián kuai le - Feliz ano novo!

Fiquei sem dar noticias porque aqui estávamos em Ano Novo chinês e como todos os que trabalham com o oriente devem saber TUDO PÁRA... Daí entrei no clima ....

Aproveitamos para passear e conhecer novos lugares.
No tempo que ficamos em casa tivemos aulas de Chinês, ioga, exercícios extras e aulas particulares de chinês para o Gabriel. Isto para não dizer que o computador aqui de casa no pouco tempo vago fica muito concorrido, afinal são 4 pessoas com interesses completamente distintos disputando o mesmo espaço.
Como a mama sempre tem um montão de outras coisas para fazer, limpar, arrumar e cuidar acaba ficando na fila de espera...

Aprendi que o "FU" é um símbolo que índica prosperidade e é tradicionalmente colocado na porta de entrada das casas.
No Ano novo vira-se o Fu de cabeça para baixo e isto significa que a prosperidade entrará naquela casa.
Mais do que isto, o Fu é formado pela combinação de dois ideogramas, o feminino que representa proteção e cuidado com o lar e o masculino ligado a força do homem no campo.
Extrapolando idéias, na concepção chinesa, um lar é constituído por uma mulher e um homem, onde um ama, protege e cuida, outro supre e alimenta.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Facilitadores

Hoje uma amiga emprestou-me um carinho para as idas ao supermercado ou a feira.

Nós, com gosto pelos sabores ocidentais, temos que fazer peregrinação em vários supermercados diferentes até encontrarmos algumas coisas que nos são preciosas.
Café, pão, queijo (artigo de luxo por aqui),feijão, sucos de acordo com nosso paladar, etc.. Isto ocupa boa parte do tempo, pois além da locomoção é necessário paciencia e olhos aguçados, caso contrário, voce volta para casa com as mãos abanando ou cheia de coisas que com certeza irão acabar no lixo.

Não é que não tenha suco, mas o normal é suco de soja puro com gosto bem forte, galãoes de 5 litros de óleo de amendoim, deixa a comida super doce e com gosto estranho, arroz perfumado, todas as linguisas e salsichas doces ou tão picantes que voce para de sentir a boca na primerira mordida.

Como temos dois bezerros em casa, o consumo diário de leite é algo em torno de dois litros e haja braço para carregar tudo isto nas sacolas de tecido, sim, porque aqui se voce não leva sua sacola tem que pagar por uma.
Acho isto certo. É um pensamento muito ecologico, ainda mais se considerarmos o tamanho da população da China.

Bom, hoje estreie o carinho e pude comprar de uma só vez meus preciosos sucos, seis litros de leite, detergentes e mais outras coisinhas. Se estivesse com minhas sacolinhas iria precisar de no mínimo duas viagens com uns 15minutas de caminhada com carga para voltar para casa.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Orgulho de Mãe









Ontem o Gabriel chegou em casa com este certificado que recebeu da escola. Ficamos muito contentes.

Thiago e seu grande coração

Ontem fomos na locadora. Chamamos locadora para fazer piada, porque o preço é bem pequeno e não precisamos devolver.
Voce vai a uma loja pega o DVD ou Cd que quiser, paga algo em torno de R$2,00 ou 7rmbs e leva para casa qualquer filme, alguns antes até mesmo de cegarem aos cinemas...

Ontem pegamos um filme chamado "Bolt. É a estoria de um cachorinho que trabalha como ator, mas acredita que tudo o que acontece seja real. Em determinada filmagem sequestram a menina dona dele e ele se desespera, foge e começa uma grande aventura.

Tem uma parte onde o cãozinho está passando por uma situação triste e está sozinho; olhamos para o Thiago e ele está com a boquinha tremendo e os olhinhos cheios de lágrimas sentadinho no sofá.
Sentei com ele e dei um abraço bem gostoso e ele começou a se lamentar pelo cãozinho.

A coisa mais querida..Esta é uma das características dele. Se preocupar com os outros e sofrer junto. Thiago meu humanista.

Gabriel e o Taxista

Ter filhos homens é sinal de boa sorte. Nós somos muito afortunados pois temos dois meninos. Mais afortunada ainda sou eu, que graças ao senso de independencia e iniciativa do Gabriel, assumiu para ele a função de que quando pegamos um taxi quem fala é ele.

Imaginem a cena.. uma mulher, dois meninos e o "gg" -pronuncia-se gãgã -irmão mais velho, toma a iniciativa e segue seu destino de cuidar dos pais. Como se não bastasse é um ocidental falando em chines e seguindo as tradições chineses... Uma tremenda honra.

O taxista saiu tinindo com seu taxi, rindo feliz, eu no banco de trás imaginava o que será que ele entendeu? onde será que vais nos levar?...
O endereço que o Gabriel deu era o hotel aqui na frente de casa, o Holiday inn Hotel, ou para os chineses, JiaRi JiuDian (fala-se algo como jiaorújioutian). Não é que o chinesinho nos trouxe certinho!
O Gabriel não satisfeito fez com que o taxista nos deixasse em frente ao nosso prédio, ou seja, falando um pouco inglês, um pouco se sacudindo e abanando as mãos, usando algumas palavras que ouviu seu pai falar, conseguiu fazer com o taxista manobrasse e nos deixasse em frente a nossa casa.

Que garoto é este meu garoto.

sábado, 17 de janeiro de 2009

Chinese classes

Começamos a fazer aulas de chinês e se eu achava que não seria fácil, agora tenho certeza.

Estamos aprendendo o que eles chamam de mandarim simplificado que é bem mais fácil que o tradicional. Chama-se pín ín e utiliza nossas letras com o tom (acentuação) sobre a letra que necessita ser destacada.

Para terem uma idéia, tudo começa pelo treinamento dos sons.
São 24 sons inicias, uns 35 finais, quatro tons diferentes para cada sílaba e mais aquelas regrinhas adicionais que todo o idioma tem.
Por exemplo, segundo o dicionário que temos aqui, o mesmo simples e curto "ma", dito em tom diferente pode significar: mother, hemp, horse or to scold.

Aliás o que escrevi acima é uma outra coisa que dificulta a prendizagem. Imaginem a professora chinesa (começa que o nome ocidental que ela escolheu é Apple - isso mesmo, temos aula com uma maçã!!!!) nos explica em inglês, e é claro que ela tem sua própria interpretação do idioma inglês, já nós entendemos o inglês com nossa interpretação e deduzimos o que quer dizer em chinês. Isto só já dá uma mão de obra incrível. Mas certamente estamos abrindo muito nossos horizontes.

Só nos resta fazer muito homework e praticar. A cena mais comum é sairmos repetindo um som, cheios de nós mesmos, pensando agora vai e quando dizemos nossa tão ensaiada palavra eles dizem "bu hau", que significa não bom, e aí começa uma série de repetições e gestos até que finalmente conseguimos nos fazer entender. E nesta derradeira hora eles nós olham, repetem exatamente o que acreditávamos ter acabado de dizer e nos corrigem! A vontade que dá é dizer: - Então, mas era exatamente isto mesmo que eu acabei de falar!

O Gabriel, super metido, outro dia entrou no táxi e falou nosso endereço para o motorista, que de cara adorou. Uma mulher, com dois meninos e um deles tomando a iniciativa desta forma só pode ter muita sorte. Não é que o taxista nos trouxe para casa direitinho.

Enquanto nosso chines não melhora, seguiremos tentando. O negócio e não desistir.

Tomara não repetir a história do português que foi pros USA aprender inglês; não conseguiu aprender e ainda esqueceu o português. Voltou pra casa mudo...

Update

É o tempo voa por aqui... Não que tenhamos tanta coisa para fazer, mas sim que para cada coisa feita gastamos mais tempo do que normalmente gastaríamos se estivessemos no Brasil.

Agora já identifico os produtos que gosto no supermercado e começo a me aventurar em novos rótulos... sim, pq toda a escrita é em pauzinhos como falei, então tem que ficar tentando deduzir tudo.

Esta semana parei de comprar o leite importado (lembram do escandalo do leite aqui?) pq custa três vezes mais que o chines, mas gastei um tempão comparando as embalagens para ver qual era o integral. Em posse de duas caixas diferentes vim para casa e experimentei pelo símbolo que acreditava ser o teor de gordura. Não é que deu certo.
Para matar a saudade fiz até uma ambrosia que comi de joelhos. Os doces daqui só tem o doce natural dos ingredientes, eles quase não usam açucar. O mesmo vale para o sal.

Estou tentando achar gelatina em pó ou em folhas, sei que tem, mas ainda não distingui qual daqueles pacotes é gelatina e quais são couros de peixe seco, intestino seco ou outras coisas que só deus sabe. Sei que tem, pq no super tem um monte de docinhos de gelatina, só que dentro eles colocam uma decoração "surpresa"e as vezes não se tem onde cuspir, se é que me entendem.

Se alguem ai tiver receitas, mas tem que ser daquelas de antigamente, só com ingredientes que se encontrava no passado pode mandar. Não dá para ser nada muito incrementado pq senão não dá para fazer.
Devia ter aprendido a fazer geleia...

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Dignidade

Esta semana uma moça chinesa começou a trabalhar conosco aqui em casa. Uma amiga que mora aqui em Zhuhai há bastante tempo intermediou as negociações como salário, horário, tarefas, etc.. Após esta ajuda ficamos sós, eu e minha nova ajudante.

Uma mulher pequena e magra como quase todo mundo aqui, parece ser jovem e tem uma filha de dez anos. Aliás, ainda não havia comentado, mas já não sou um ponto fora da média no que se refere a altura.
Uma das coisas negociadas, foi que até metade de Janeiro, ela só ficará meio período, pois, cozinha em uma outra casa. Esta é umas das qualidades dela. Cozinha muito bem,...comida chinesa..Vamos experimentar em breve.
Outro ponto importante, foi que como a filha de 10 anos fica todo o dia sozinha ela gostaria, se fosse possível, ficar em casa nos finais de semana. Notem que utilizei um "se fosse possível". Chama muito minha atenção eles adorarem crianças e mesmo assim devido a uma série de fatores só poderem ter um filho e no caso desta mulher, ter que deixá-la em casa e ajudar a cuidar os filhos dos outros.
Ela chega aqui por volta das 8:00 da manhã oque significa que a menina provavelmente se arruma sozinha para escola, vai e volta sozinha e espera a mãe chegar. Sei que é a realidade de muitos brasileiros, mas tudo isto só reforça o tamanho do privilégio de nossos filhos e quanto ainda precisamos trabalhar e amadurecer suas educações até poder deixá-los sós e responsáveis com tão pouca idade.

Confesso que a comunicação não é nosso ponto forte; mas uma pessoa que considero muito, uma vez me disse: "O que tem demais não falar inglês e ainda assim viajar para o exterior. Se falar fosse fundamental, mudos não viajariam".
Achei este comentário engraçado na hora, mas hoje, a cada dia isto faz mais sentido. Sem conseguir dizer nada em chinês e como na sua maioria os chineses em Zhuhai não entendem inglês, quem dirá português, sou uma muda, e acrescento.. Muda e analfabeta!
Só que ao contrário do que parece, isto está longe de ser um demérito; é fantástica a imensidão de possibilidades que se abre na comunicação sem palavras. Quem diria.. logo eu que sempre gostei tanto de falar.
Pior, continuo falando muito, com braços, gestos, pernas, roupas e tem dado certo.

Passam os dias e eu e minha ajudante estamos nos dando bem. Pelo menos de minha parte gosto dela, acho que ela também gosta de mim.

Outra coisa que me faz pensar é que, pelo menos os chineses continentais, que são com quem convivemos, são honrados.
Algumas pessoas podem dizer que é coisa de governo controlador, outros que é o poder da polícia, eu começo a ver que é algo bem mais profundo, é nato, é sincero. Um exemplo é o meu amigo da manutenção, lembram dele? Pois é, outro dia saiu para comprar um arame de roupa para mim (eles sempre me ajudam) foi, procurou, comprou e me trouxe a nota. Como foi algo totalmente feito pela boa vontade dele comigo quis lhe dar uns rbms (dinheiro) a mais, uma gorjeta como se diria no Brasil; isto aqui é simplesmente impossível. Ele não aceitou de jeito algum, afinal, uma ajuda é uma ajuda e não algo que se faz visando um reembolso.

Ontem fiz milho verde cozinho, duas espigas, para servir como um aperitivo ao meu bebe. Logo tínhamos quatro pedaços grandes. Ofereci um a minha ajudante e ela acreditando que aquilo fosse nosso almoço não queria aceitar de forma alguma. Olha que tive que gastar muita mímica e suor até convencê-la a aceitar um pedaço. Foi duro mostrar que estávamos bem e que ela podia aceitar...Ela mostrava o meu filho e dizia deixa ele comer, deixa ele comer (dizer não é bem a palavra, mas era o que deu para entender). Então novamente percebo; são magros porque tem pouca comida e mesmo assim, são honrados e demonstram preocupação com os outros.

O tempo, as coisas, as ações passam de uma outra forma por aqui.
Lembro da cena de um filme, acho que o nome era "Sete anos no Tibet", onde uma mulher lavava o chão e já no final da tarefa o homem interpretado pelo Brad Pitt vinha da rua e pisava com suas botas enlameadas todo o chão limpo. Ela, sem dizer uma palavra ou manifestar indignação voltava a recomeçava a limpar.

Vivendo aqui sinto o quão profundo é esta cena. As coisas são como são.
Algumas independente de nossa vontade acontecem e depois que elas acontecem não adianta a revolta ou a ira.
Minha lição neste caso foi que ver que é preciso Resignação para aceitar o que não se pode mudar, força para recomeçar e persistência para não desistir e estar sempre pronto a um novo começo.

Me comove e me enriquece esta convivência com eles.

domingo, 4 de janeiro de 2009

Feriado em HK

Depois da virada de ano em Zhuhai fomos passar alguns dias em Hong Kong. Outro mundo.
É impressionante as mil faces que a China tem, cada lugar ou comemoração faz com que mudem totalmente o comportamento das pessoas e dos lugares.

HK e Macau são considerados regiões autônomas da China então é necessário passaporte e visto para ir de Zhuhai (China continental) para algum deste lugares.

Um pouco de conhecimentos gerais sobre Hong Kong que descobrimos na nossa visita...
Os idiomas são o cantonês e o inglês. Praticamente 100% da população fala inglês o que facilitou muito a nossa vida e de todos os turistas.
É dividido em duas partes pelo porto de Vitória. Na parte norte da ilha e na ponta sul de Kowloon ficam as principais atrações culturais, panorâmicas, restaurantes e locais para compras.
O sistema de metrô é muito organizado e eficiente atendendo os bairros centrais. Ônibus, bondes e taxi atuam a partir do centro para outros pontos, tambem a ferryboats entre HK e as principais ilhas.

Em uma das avenidas do Centro é possível encontrar todas as melhores grifes do mundo e ver os arranhas-céus mais impressionantes.
A sede do prédio do HSBC (Hong Kong Shangai Banking corporation) já foi um dos prédios mais caros do mundo, tendo custado HK$ (dolares de Hong Kong) 5 bilhões. Atrás do HSBC surge o Banco da China com linhas angulosas que contrariam o feng shui e tem influência agressiva, perto do terminal Star Ferry fica o edifício do Two International Finance Centre (IFC) mais alto de HK e o terceiro mais alto do mundo com 88 andares ou 415metros.

Saindo deste mar de edifícios fomos para o Pico Vitória, considerado um dos melhores lugares para se viver na cidade. O céu estava claro então a vista que se tem da cidade é espetacular.
Nos dias de colonia eram necessários muitos chineses com liteiras para levar suprimentos até as manões, em 1888 foi construído a Peak Tram e encurtou a viagem de 27O de uma hora para 10 minutos, bem uma hora eles levavam, eu certamente levaria pelo menos meio dia devido a inclinação e altura. Até bem pouco tempo os chineses eram proibidos de comprar imóveis no pico, hoje qualquer um pode comprar estas que estão entre as propriedades mais caras do mundo.

Descemos do pico e fomos para o Escalator que é na verdade 792m de escadas rolantes, considerado o mais longo sistema de escadas rolantes do mundo, é a melhor maneira de ir e voltar entre o Central, os mid levels e o Soho. No seu caminho é possível encontrar excelentes bares e restaurantes, bem como antiguidades e poções feitas sob medida por herboristas

Uma curiosidade: O domingo é o dia de folga de todas as empregadas, que no caso de HK são normalmente filipinas. Neste dia todas se encontram e a paisagem do centro se transforma totalmente. Mudam os rostos, as roupas, as vozes, os modos. Elas se encontram como uma grande comunidade e sentam-se para fazer piquenique nas passarelas e em algumas saídas de ônibus. Bem diferente.
Stanley - deste passeio um dos meus lugares preferidos.
Era uma vila de pescadores, mas hoje possui bares e restaurantes Tailandeses, Italianos, Vietnamitas, espanhóis e chineses, tambem se vê pubs em estilo inglês. Possui uma grande e emaranhada extensão de bancas vendendo roupas, peças de Jade, pinturas, seda e jóias, mas nada muito caro.
Também tem a Muray House um edifício que foi desmontado no Central, teve todas as suas pedras numeradas e foi reconstruído em Stanley em 1998.Se olharmos com atenção ainda é possível visualizar em algumas pedras da construção sua numeração.

Ocean Park, aqui gastamos um dia inteiro mas poderíamos ter ficados mais.
Possui sete áreas temáticas e um teleferrico panorâmico de tirar o fôlego pela beleza da vista da baía Deep Water, pela altura, quantidade de bondinhos e extensão. No parque visitamos os aquários do tubarões e arraias, os pandas que são o orgulho do local, aquários das Mães d'água com suas cores incríveis.. Na verdade aqui passei mal.. acho que tenho claustrofobia...mas os meninos e o Ed adoraram e também fomos no Kids world.

Desta vez foi o que conseguimos ver, foram três dias bem badalados. Hong Kong é um lugar para se voltar muitas outras vezes.