domingo, 8 de março de 2009

Diferenças

Existem coisas que não estão ai para serem aceitas, mas sim, compreendidas.
Podemos compreender muitas coisas, mas nem por isto aceitamos ou concordamos com elas.

Falando com a moça que trabalha aqui em casa, descobri um pouco de sua estória. Casou, era feliz e teve uma filha. A partir dai as coisas se complicaram e seu marido foi embora com uma nova namorada.
Até ai tudo normal, ou até mesmo meio comum.
O que muda é que na China, o marido que teve como primeiro filho uma mulher pode encontrar outra namorada e tentar o filho homem, mas a mulher (mãe) segue com a filha e não pode mais casar por duas razões.

Primeira: Já teve um filho(a) e este "número"de filho fica atrelado a ela. Politica de filho único.

Segunda: Pelo mesmo motivo que o primeiro marido a deixou, um segundo não a aceitaria. Quem iria querer uma mulher com filho de outro homem ainda mais sendo uma filhA?
Ela me dizia: Marido laowai é que é bom! Marido chinês não bom.

Tentei explicar que não era bem assim. Que mocinhos e heróis são coisas de filme e que em todas as culturas tem o bom e o mal. Mas é claro... a distancia do resto do mundo e a cultura fechada não deixam margem para que ela possa imaginar estas diferenças e veja que existem sempre mais versões da mesma estória.

Tentei mostrar que não há regras sem excessão ou verdades absolutas, não estou certa de ter conseguido.

De qualquer maneira, os maiores beneficiados neste paradigma são os homens estrangeiros que vivem aqui. Os meninos e o Husband, como ela se refere ao Eduardo, tem sempre a roupa mais perfeita, mais cuidadosamente limpa, a melhor comida, etc..
Se não fico de olho ela faz tudo para os meninos, eles deixam algo fora do lugar, lá vai ela arrumar. Se derramam chocolate, lá está ela limpando, até colocar as meias e sapatos. Ela tenta antecipar as necessidades e se adianta para atendê-las.
Olhem que isto não é só aqui em casa. Conversei com as outras estrangeiras e em suas casas o mesmo acontece.

Não estou me queixando de forma alguma. Ela é ótima para mim também, o que tento retratar é a forma com que as mulheres aqui foram educadas e como agem. É claro que um texto é muito pouco.
Um livro bom para ilustrar o que eu digo é: "As boas mulheres da China", quem tiver oportunidade deve lê-lo.

Enquanto isto vamos seguindo, descobrindo e aprendendo. Deixo uma frase de Saint-Exupéry.

"Uma pessoa para compreender tem de se transformar."

2 comentários:

rogerio disse...

Mirian, cuidado com esse zelo demasiado que a tua Ai tem com os 3 menimos!! Ehehehehehe! Brincadeirinha!! Abraço, Pitombo

(l' excessive) disse...

Oi, Mirian!
É muito bom vir aqui e ler seus verdadeiros retratos da vida na China. Toda vez que ouço ou leio algo à respeito de como as mulheres são tratadas no Oriente penso, egoisticamente: "graças a Deus nasci no Ocidente!"
Quanto ao livro que recomendaste vou ver se encontro.
Abraços a todos ah, e Dado$cia estão chegando!!!
:o)