sábado, 7 de fevereiro de 2009

Churrasco Chinês

Antes de vir para a China lemos muito sobre os hábitos e costumes e sabíamos o quanto é dificil para este povo, por inúmeros fatores, se abrir e convidar pessoas que não são de sua família, principalmente estrangeiros as suas casas e suas vidas.

O toque, o beijo, o abraço são coisas raras por aqui. Apesar da "abertura" são séculos de tradiçÕes, medos e tabus que precisam ir se flexibilizando para que as barreiras caiam.
A menos de 10 anos atrás não era possível encontrar casais de mãos dadas ou abraçados. Ainda hoje, são bastante discretos. Beijo na boca não vi nenhum e acho que não vou ver.

Acredito que nós temos muita sorte ou eu seja uma desmiolada e impulsiva total.

Adoro abraços e beijos.
Sou afetuosa por natureza e na primeira aula de Ioga que tive, ao me despedir em um impulso impensado, abracei e beijei a professora.

Imaginem, quem pratica Ioga sabe que o abraço é algo importantíssimo. No abraço, oferecemos nossa energia ao outro e recebemos dele a sua própria; normalmente só se abraça com alguma razão especial.
Eu além de abraçar dei três beijinhos. Ela ali, braços estendidos ao longo do corpo, cara de incrédula e eu na metade do segundo beijo é que fui me dar conta!
Depois de algumas aulas contidas, em minha última, beijei uma amiga brasileira e a laoshi (professora em chinês) já veio para o meu lado oferecendo o rosto.
Nós, no pouco mais de dois meses aqui alem de beijar a professora de Ioga, já abraçamos a nossa ajudante. Ela adora o Gabriel que é um "abraçador" nato assim como eu e que por sua vez já deu abraços em dois ou três guardinhas que brincam com ele quando entramos no prédio; já fomos convidados para almoçar na casa de uma colega de trabalho do Ed, e agora recebemos o convite para este churrasco.

Para terem uma idéia, percebam o texto do convite:
"Dear Both,
We, sourcing dept, would like to invite you and your family to our barbecue on this Saturday (Feb.7th.)^_^ . Would you like to join us?

Please kindly inform me when you are available as I will prepare the food for the barbecue.

Address: Ji Da Jingshan Park( 吉大景山公园) ( Very close from your home)

Time: AM 10:30~13:30."
Attendee: XXXXXX & family, XXX & family, XXX & family, XXXX.

Thanks and Best regards,



É uma coisa de se comemorar ou não é fazer parte do dia a dia deste povo e ser aceito por eles?

As fotos do evento estão em outra postagem.

Fotos de nosso primeiro Churrasco Chinês

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Dança do leão e uma lenda chinesa

videoOutra tradição de ano no chines. Na véspera, durante o dia, homens vestidos de leão (na verdade este leão é formado por uns 7 bichos diferentes) desfilam nas ruas visitando as lojas que penduram em suas portas o ronbau, cigarros, e uma alface. A loja visitada atrai boa sorte e ótimos negócios.

MAIS CULTURA:

O ano novo chinês proviu de cerimônias de sacrifícios da época das dinastias Yin e Shang (século 16 - século 11 a.C.). Mas existem muitas lendas sobre sua origem. A lenda mais conhecida é sobre o monstro Nian.
Fala-se que na época antiga existia um monstro Nian. Ele tinha um chifre na cabeça, e era muito cruel. Nian vivia normalmente no fundo do mar, subia a beira somente na véspera do ano novo para comer bichos e pessoas. Assim, sempre na véspera do ano novo, as pessoas fugiam da aldeia para as montanhas para não serem mortas por Nian.
Na véspera de um certo ano, quando as pessoas estavam correndo para fora da aldeia, chegou um mendigo velho, andando de bengala, tendo barbas brancas e olhos brilhantes.
Pessoas da aldeia estavam fechando as portas e janelas, fazendo malas ou pegando bichos dos estábulos. As pessoas estavam chamando uma as outras, cavalos estavam relinchando. A aldeia tinha uma grande confusão, ninguém prestava atenção neste velho.
Uma avó que morava no fim da aldeia viu o velho, ela lhe deu comida e o avisou para se esconder nas montanhas por causa do monstro. O velho sorriu e respondeu: "Se avó me deixar ficar na casa esta noite, vou expulsar o monstro."
Foi uma surpresa para a avó, ela ficou olhando para o velho. Mesmo que ela sentisse que o velho tinha um espírito bem diferente, não acreditou, e continuou avisando o velho. O velho somente sorriu e não falou nada. A avó não tinha outro jeito, deixou o velho ficar em casa e foi às montanhas sozinha.
À meia noite, o monstro Nian veio. Ao chegar na aldeia, ele já percebeu alguma coisa anormal: a casa da avó no fim da aldeia estava bem iluminada com velas, e as portas estavam cobertas com papeis vermelhos. Nian gritou, e tremeu. Ele olhou para a casa da avó por um momento curto, depois, correu até a casa gritando. Quando ele chegou perto da porta, vieram de repente barulhos explosivos. Nian ficou surpreso, e tremeu e parou de se aproximar.
Ninguém sabia que Nian tinha medo de fogo, de barulho explosivo e da cor vermelha.
As portas da casa da avó se abriram, o velho, de veste comprida vermelha, estava rindo no centro do pátio. Nian ficou tão assustado que até perdeu a cor na cara. Ele se virou e saiu correndo.
O dia seguinte era o primeiro dia do ano novo. As pessoas voltaram à aldeia e descobriram que a aldeia estava bem calma. Tudo mundo ficou surpreso. Lembrando do velho, a avó entendeu tudo. Ela contou isto para as pessoas e voltou para casa junta com elas: as suas portas estavam cobertas com papeis vermelhos, uma pilha de bambu ainda estava queimando no pátio, algumas velas vermelhas ainda estavam iluminando a casa.
As pessoas ficaram muito alegres. Para celebrar a paz, elas puseram roupas novas, chegaram nas casas dos parentes e amigos para dar os parabéns. A notícia se espalhou rapidamente na aldeia, tudo mundo se informou sobre a maneira de expulsar o monstro Nian.
Daí, na véspera do ano novo, todas as famílias decoravam as portas com papeis vermelhos, soltavam fogos de artifícios, deixavam a casa iluminada, e aguardavam até o novo dia começar. Na manhã do primeiro dia do ano novo, pessoas se visitavam para dar os parabéns. O costume se espalhou, e virou finalmente o festival tradicional mais importante da China.
E celebrar o ano novo é chamado de Guo Nian, Guo significa "passar", Nian significa "ano", mas na lenda, é o nome do monstro.

Extraído do site do Centro de Cultura Chinesa - SP - Brasil.

Sobre Ano novo Chines - Ano do Boi

Não importa a cultura, sempre existem tradições a respeito do Ano novo. Aqui na China não é diferente.

Limpar a casa, jogar fora tudo o que não é bom, trocar roupas, vestir-se com roupas novas na véspera, cortar cabelos, pagar as contas são alguns dos "cuidados"que devem ser tomados antes da virada do ano, para que boas coisas aconteçam no próximo.
O Fu fixado na porta de entrada e lanternas vermelhas e douradas penduradas nas casas trazem boa sorte, assim como, o envelope geralmente vermelho (ronbau) dado pelos mais velhos para as crianças contendo dinheiro e balas.
Pedidos, metas, objetivos, sonhos para o ano que se inicia são escritos em papel vermelho e colocados pendurados em uma árvore de bergamota, sempre cheia de frutas (fartura).

Toda esta comemoração se inicia no 23 dia do último mês lunar e termina no 15 dia do mês que se inicia. Nesta data acontece a Festa das lanternas. Todo este período é conhecido como Festival da Primavera, pois a data de Ano Novo coincide com a chegada desta estação.

ANO NOVO DO BOI - espera-se um ano de trabalho árduo e muita persistência. Assim como o animal que trabalha pesado e quase não dorme, a ideia é de que todos se mirem neste exemplo, ou seja, o negócio é trabalharmos duro e não desistir.
Achei uma grande dica mediante esta crise mundial que atingiu todas as economias. "Baixa cabeça, trabalha e cala boca palhaço" - Disse uma velha amiga minha pelos idos anos 90. Acho que continua válido!

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Noticias

Outro dia falamos com a babá ai do Brasil pelo Skype e depois que desligamos o Gabriel teve uma crise de choro.
Chorou porque tinha saudades, porque queria dar um beijinho na baba, porque sentia falta da massa com molho de galinha e por tantas outras coisinhas que nem ele sabe muito ao certo quantas são.

Hoje o Thiago no almoço queria o Gato dele,..o que ficou no Brasil, queria o cachorro, ai que difícil!

Tem horas em que por mais que tentemos dá aquele aperto. Nestas horas descobri que o melhor remédio e nos aconchegarmos um no outro, ficar abraçadinho juntinho, sem dizer muita coisa, ouvindo o choro ou chorando junto.
Não importa. O que importa é estar ali, juntinho e dar aquele apoio incondicional. Algumas vezes até dormimos assim, mas saímos revigorados e fortalecidos

O Gabriel tem se esforçado, mas não está sendo fácil aprender tanta coisa nova em línguas que ele desconhece.

Eu estou ansiosa e temo pelo desempenho dele, mas ele é feliz.
Tem amigos, sorri bastante e brinca bastante na escola; o ensino é bem mais forte que no Brasil.

Ele está aprendendo sobre o sistema solar em geografia e em matemática multiplicação, divisão e alguma coisa de frações.
No inglês tem muito trabalho de interpretação de textos (o que é bem difícil já que ele não fala inglês) e no chinês aprende a escrever e ler os ideogramas, ele adora, diz que é mais fácil que o inglês - Cada louco com sua mania.

O ensino é globalizado... Eles pegam um tema, por exemplo, o sistema solar e desenvolvem todas as outras disciplinas dentro deste parâmetro.
Fazem cálculos de distâncias, comparam tamanhos, dividem e multiplicam planetas, seres, órbitas..

Imaginem que outro dia ele teve que escrever seu próprio conceito de órbita, planetas, astronauta, espaço.
Isto é outra coisa que me chama atenção, ele tem aula sobre um tema e depois desenvolve e responde o que entendeu, sua interpretação. Individualmente a professora avalia as respostas e coloca as devidas observações, as turmas são pequenas e isto ajuda muito no ensino.

Acho legal por que ao contrário do ensino que eu tive onde aprendíamos as coisas e nem imaginávamos onde usar, ele aprende sabendo o quanto aquilo é importante e onde utilizar o que aprendeu. Isto facilita. Desperta o interesse, a curiosidade e eles desenvolvem rapidamente as habilidades

Na segunda eles recebem o tema para ser feito durante a semana e na sexta este deve ser entregue. Fazem desenhos em 3D e 2D (perspectivas), lêem pelo menos 03 livros na semana.
Gastamos bastante tempo com isto, primeiro lemos, depois mímicas para o vocabulário, depois ele lê e revisamos o vocabulário discutido.. assim lá se foram duas ou três horas.

O Thiago é muito amoroso, mas não é muito simpático com o assédio constante dos chineses.
Na próxima semana ele começa na escolinha. Já fomos visitá-la e ele adorou os brinquedos. A sala de aula no entanto não foi tão atrativa.
Posso fazer a adaptação como eu achar melhor. Já decidi iniciar com duas horas e ir aumentando gradativamente até que ele se sinta bem.

Uma amiga se ofereceu para ficar comigo na escola durante este período de adaptação, me ajudará como interprete e companhia para que eu não desista.
Então, na próxima segunda, com crianças em uma mão, chimarrão na outra, bergamotas na sacola e com o coração apertado, levo meu gordinho para seu primeiro dia de aula.

É preciso dizer que chineses não podem ver crianças chorando que se desesperam.
O método mais usado é um oferecer uma balinha, um doce, daí entendo porque quase todos os bebes entre um e três são rechonchudos.
Na verdade, a educação dos milhares de filhos únicos homens aqui se mostra complicada e estas crianças cheias de marra chegam a escola, onde vão aprender a ter comportamento. Imaginem o caos no inicio.
No entanto, aqui as professoras (laoshi) tem aquela aura de respeito que já perderam no Brasil.
Os pais as respeitam, a escola dá o poder e portanto as crianças sabem exatamente que não podem passar dos limites.
Acho isto excelente. São respeitadas e o ensino é rígido, principalmente nas escolas chinesas. Trabalho duro, muito duro.
Mas como o Thiaguinho é um laowai (estrangeiro) tem suas mordomias. Eu com certeza terei que usar minha amiga interprete para negociar que no lugar das balas para obter bom comportamento lhe dêem adesivos.

Histórias Chinesas

Esta é uma estória baseada em fatos reais.
Os nomes e lugares foram alterados para manter a identidade de nossos personagens desconhecida.

Em uma certa empresa na China, uma jovem senhora chamada Li Wuan - uns 30 anos chegou alegre e sorridente em seu trabalho exibindo sua tão gloriosa nova carteira de motorista.

É importante mencionar que aqui na China para se conseguir a carteira tem que se estudar um manual com 1.500 questões das quais 100 caem na prova e é preciso acertar um mínimo de 90 questões.

Um colega por volta de seus 30 e poucos anos, já não muito bem quisto e com histórico de ser um chato de galocha, assim que viu o documento começou a desmerecer o objeto de desejo da pobre Li. Bradava na sala que agora as ruas não eram mais seguras, o que seria dos pedrestes e dos outros motoristas, que ela avisasse quando fosse sair pra ele não estar por perto, etc..

O que era para ser uma brincadeira de mal gosto, começou a tomar caratér de ofensa e o Sr. Chang descambou para a baixaria ofendendo a honorável família da moça, esta por sua vez já estava aos prantos e todos na sala onde os dois trabalhavam admiravam a cena.

Entre as palavras de Li dizendo que os filhos de Chang nunca iriam se casar, e os brados de Chang: -Tu não é de nada, sua mãe é uma mula e se teu marido frouxo quiser vir aqui que venha. Ele não é homem para me enfrentar e muito menos para defender a honra da esposa!

Isto no Brasil ofenderia, mas aqui é uma coisa seríssima.
Na mesma noite, após todos terem ido para suas casas, o senhor Chan escuta sua campainha tocando. Ao abrir a porta não foi possível dizer nem ao menos boa noite ao sujeito que lá se encontrava, visto que o Sr. Wuan, ao saber da estória ocorrida, sentiu-se ofendido e precisava mostrar que era um homem honrado; para tanto, dirigiu-se à casa do desaforado colega de sua esposa e o espancou ali bem na porta de entrada com toda a familia do famigerado assistindo.

No outro dia ao chegar ao trabalho o Sr. Chang tinha um curativo na cabeça perto da testa, outro no meio da bochecha e mais alguns arranhões. A principio disse que tinha sofrido um acidente, depois, a fim de obter testemunhas contou da surra que havia levado e abriu um processo na policia.
Decidiu fazer um tribunal no trabalho; chamou uma colega de testemunha, um outro para ser o juiz da questão a pobre e humilhada Sra. Li Wuan e começou outra discussão. O Sr. Chang apresentou uma lista para a qual exigia indenização. A lista continha:
- taxi até o hospital XX yuans
- Chá para feridas XX yuans
- Consulta médica XX yuans
- gás gasto para fazer o chá XX yuans
- horas de minha mãe fazendo o chá e me tratando XX yuans
- ida de moto para comprar o chá XX yuans
- volta de moto com o chá XX yuans

E por aí ia a coisa. Após horas de argumentação, o colega que havia sido determinado como juiz perguntou ao Sr. Chang:
- Se eu tomar qualquer decisão que não seja a seu favor, voce aceitará?
Imediatamente Chang respondeu: - Impossível, eu só aceito a meu favor.
O Juiz argumenta: - Mas isto não é justo! Você começou a confusão
Chang afirmou: - Se hoje eu chegar em casa sem este dinheiro de indenização minha mãe vai me xingar! Ela não vai aceitar que eu tenha saído no prejuízo!

Pasmem! O Sr. Machão Chang chefe de família, metido a valentão tinha medo da mãe!

Até entendo isto agora que já convivemos um pouco mais com este povo tão diferente...

Para acabar a estória, após veridito, que é definido pela própria polícia em curto espaço de tempo, nossa mocinha Li Wuen e seu marido tiveram que pagar 400 yuens de indenização ao tal sujeito.

É mole ou quer mais?!

Xín nián kuai le - Feliz ano novo!

Fiquei sem dar noticias porque aqui estávamos em Ano Novo chinês e como todos os que trabalham com o oriente devem saber TUDO PÁRA... Daí entrei no clima ....

Aproveitamos para passear e conhecer novos lugares.
No tempo que ficamos em casa tivemos aulas de Chinês, ioga, exercícios extras e aulas particulares de chinês para o Gabriel. Isto para não dizer que o computador aqui de casa no pouco tempo vago fica muito concorrido, afinal são 4 pessoas com interesses completamente distintos disputando o mesmo espaço.
Como a mama sempre tem um montão de outras coisas para fazer, limpar, arrumar e cuidar acaba ficando na fila de espera...

Aprendi que o "FU" é um símbolo que índica prosperidade e é tradicionalmente colocado na porta de entrada das casas.
No Ano novo vira-se o Fu de cabeça para baixo e isto significa que a prosperidade entrará naquela casa.
Mais do que isto, o Fu é formado pela combinação de dois ideogramas, o feminino que representa proteção e cuidado com o lar e o masculino ligado a força do homem no campo.
Extrapolando idéias, na concepção chinesa, um lar é constituído por uma mulher e um homem, onde um ama, protege e cuida, outro supre e alimenta.