terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Bom, o que posso dizer sobre esta mudança...

Normalmente adultos, muito mais que crianças, são resistêntes a mudanças, sejam elas quais forem. Se bancos implantam um novo sistema para nossa proteção, logo dizemos que é ruim, dificil e por ai vai. O mesmo se passa quando em nossos empregos implantam novas sistematicas, mudam hierarquias, etc..
Tudo no inicio tem uma configuração inusitada, ficamos inseguros e esta insegurança gera medo. Medo do novo.
O que nos aguarda? Conseguiremos atender as expectativas? Teremos sucesso? Seremos felizes?

Todas estas perguntas somente serão respondidas se tentarmos, se arriscarmos, se nos permitirmos viver e descobrir o que cada nova curva no caminho nos reserva.

A decisão de morar na China implica em aceitar uma vida nova.
Afirmo que assim como iremos morar no outro lado do globo, nossas experiencias, conhecimento, preconceitos e vidas nunca mais estarão no mesmo lugar.
Uma mudança de grandes dimensões físicas, culturais, religiosas e politicas. E certo que a despedida não é fácil. Para cada escolha feita outras tantas são deixadas a margem. Isto nos angustia.Minha natureza me fez ter raízes profundas. Ajuda apegar-me ao pensamento de que esta partida é apenas um até breve.

Lembro-me de uma estória de Nan-In, um antigo mestre japonês durante a era Meiji (1868-1912), que certa vez recebeu um professor de universidade que veio lhe inquirir sobre Zen. Este iniciou um longo discurso intelectual sobre suas dúvidas. Nan-In, enquanto isso, serviu o chá. Ele encheu completamente a xícara de seu visitante, e continuou a enchê-la, derramando chá pela borda. O professor, vendo o excesso se derramando, não pode mais se conter e disse: "Está muito cheio. Não cabe mais chá!" "Como esta xícara," Nan-in disse, "você está cheio de suas próprias opiniões e especulações. Como posso eu lhe demonstrar o Zen sem você primeiro esvaziar sua xícara?"

Para podermos continuar aprendendo primeiro temos que livrar nossas mentes dos conceitos pré concebidos, aceitar o novo e após reflexão extrairmos aquilo que realmente importa.

Veremos o que esta terra nova nos reserva.

3 comentários:

Magdalene disse...

miriam,
tiemos a forca de nos abracar, queria dizer um ate bree mas nao deu
a lingua tremia e os olhos bem molhados demostraram que existe muito muito dentro de nos
tua tarefa sera ardua mas linda cheia de sorprsas e nao duvido de alegrias
tu levas o mas precioso...tu familia
cuida de eles de ti e estaremos aqui para cualquer apoio e insentivo
tive dias lindos muito lindos
beijos muuuuuitos MADA

drehmer disse...

Miroca, foi muito emocionante estar com vcs nesses ultimos dias. Pude sentir que vcs estao preparados para essa experiencia que estar por vir. A distancia fisica nao conseguira tirar o carinho e a felicidade que sentimos na nossa familia. Sempre estaremos juntos...sempre! Boa jornada oriental!Bjs, Luiz.

Aline disse...

Miroca! Saudades de ti! Não nos despedimos, mas tenho certeza que vais te sair bem e vai superar esse grande desafio! Muita fé em Deus, tá! Que vocês sejam muito felizes nessa nova jornada! Estarei sempre aqui, ok! Que Deus abençõe vocês sempre! Bjao. Aline